A RELAÇÃO ENTRE FATORES BIOPSICOSSOCIAIS E OS DESFECHOS CLÍNICOS DE HOSPITALIZAÇÃO, INSTITUCIONALIZAÇÃO E MORTALIDADE SEGUNDO O PARADIGMA DE DESENVOLVIMENTO LIFESPAN / THE RELATIONSHIP BETWEEN BIOPSYCHOSOCIAL FACTORS AND CLINICAL OUTCOMES OF HOSPITALIZATION, INSTITUTIONALIZATION AND MORTALITY ACCORDING TO THE LIFESPAN DEVELOPMENT PARADIGMA

Gabriela Campana Barbosa, Thais Knopp de Faria, Pricila Cristina Correa Ribeiro, Cláudia Helena Cerqueira Mármora
2020 Brazilian Journal of Development  
A relação entre fatores biopsicossociais e os desfechos clínicos de hospitalização, institucionalização e mortalidade segundo o paradigma de desenvolvimento lifespan The relationship between biopsychosocial factors and clinical outcomes of hospitalization, institutionalization and mortality according to the lifespan development paradigma RESUMO Envelhecer causa diversas alterações no organismo que podem trazer perdas ao indivíduo e culminar na maior possibilidade de desenvolvimento de doenças
more » ... imento de doenças crônicas, principais responsáveis pelos desfechos clínicos de hospitalização, institucionalização e mortalidade nos idosos. Entretanto, estes desfechos não são influenciados apenas por aspectos biológicos e fisiológicos. O objetivo deste trabalho é analisar como questões biopsicossociais podem estar relacionadas a estes desfechos e, a partir do paradigma lifespan, apresentar possibilidade de manejo das perdas vivenciadas durante o Brazilian Journal of Development Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 11, p. 85823-85846, nov. 2020. ISSN 2525-8761 85824 desenvolvimento, na busca por um envelhecimento bem-sucedido. Para tanto, a metodologia utilizada consistiu em uma pesquisa bibliográfica, a partir de uma revisão da literatura. De maneira geral, o isolamento social, a falta de apoio, o baixo nível de instrução e escolaridade e as mudanças que ocorreram na composição e organização das famílias foram os fatores psicossociais que mais se associaram à vivência dos desfechos clínicos investigados. O paradigma lifespan ofereceu bases para dialogar sobre as possibilidades que se abrem mesmo diante das perdas experimentadas na senescência, abarcando mecanismos de otimização para que esta etapa do ciclo da vida seja vivenciada da melhor maneira possível. Palavras-Chave: Idoso, Hospitalização, Institucionalização, Mortalidade, Condição sócia, Lifespan. ABSTRACT Aging causes several changes in the organism that can bring losses to the individual and culminate in the greater possibility of developing chronic diseases, which are mainly responsible for the clinical outcomes of hospitalization, institutionalization and mortality in the elderly. However, these outcomes are not influenced only by biological and physiological aspects. The aim of this paper is to analyze how biopsychosocial issues can be related to these outcomes and, based on the lifespan paradigm, to present the possibility of managing the losses experienced during development, in the search for successful aging. Therefore, the methodology used consisted of a bibliographic search, based on a literature review. In general, social isolation, lack of support, low level of education and education and the changes that occurred in the composition and organization of families were the psychosocial factors that were most associated with the experience of the clinical outcomes investigated. The lifespan paradigm offered the basis to discuss the possibilities that open up even in the face of the losses experienced in senescence, encompassing optimization mechanisms so that this stage of the life cycle is experienced in the best possible way. O envelhecimento populacional se constitui como uma das mais importantes mudanças demográficas e sociais observadas em quase todo o mundo. Esse fenômeno, que inicialmente foi percebido apenas em países desenvolvidos, ocorre atualmente com grande velocidade nos países em desenvolvimento, caracterizando-se como uma conquista do século XX, ao mesmo tempo em que também se torna um desafio contemporâneo de escolhas feitas para viver esse período da vida perpassado pelo processo da globalização (DOS SANTOS, DE OLIVEIRA, KAMIMURA & OLIVEIRA, 2020; VERAS & OLIVEIRA, 2018). De acordo com dados divulgados por um relatório da World Health Organization (WHO, 2015), pela primeira vez na história a maioria das pessoas pode esperar viver até os 60 anos e mais; considerando que aumentos na expectativa de vida, combinados com quedas acentuadas nas taxas de fertilidade contribuíram para o rápido envelhecimento das populações. Entretanto, a amplitude das oportunidades que surgem com o aumento da longevidade depende diretamente das condições de saúde
doi:10.34117/bjdv6n11-124 fatcat:oaq3x4zuenav7ajjxiktudv2wm