O que a Clínica da Adolescência nos Ensina sobre o Ato?

Aline Oliveira Souza, Doris Luz Rinaldi
2018 Revista Subjetividades  
O presente artigo tem por objetivo situar, a partir de fragmentos clínicos do acompanhamento de uma adolescente em uma instituição pública de saúde, o conceito de ato para a psicanálise, segundo a teoria de Sigmund Freud e Jacques Lacan. Abordaremos a especificidade do ato, tanto no que diz respeito a um modo peculiar de repetição - pela via da compulsão, que não aparece pela via da fala, mas pela atuação (acting out) - quanto no que tange ao ato do analista como função - indicando sua
more » ... icando sua particularidade na incidência de um corte em relação à repetição como compulsão. Essa experiência clínica convoca-nos a pensar sobre a prevalência da repetição pela via do ato, que tem o corpo como destino, assim como sobre a função do ato analítico, que pode operar a partir desse significante enigmático que se revela no ato, de modo a deslocar uma repetição em ato para uma repetição pela via da fala.
doi:10.5020/23590777.rs.v17i3.5520 fatcat:ob5cxetvoraafm67e6rvmvvuze