FREQUÊNCIA E DURAÇÃO DA PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA DE DISCENTES E SERVIDORES UNIVERSITÁRIOS

Layane Costa Saraiva, José Roberto Andrade do Nascimento Junior, Andre Luiz Petrolini, Anastácio Neco de Sousa Filho, Thaynã Alves Bezerra, José Fernando Vila Nova de Moraes, Ferdinando Oliveira Carvalho
2018 Journal of Physical Education  
RESUMO A inatividade física é considerada fator de risco para condições desfavoráveis à saúde. Objetivou-se comparar a frequência e duração da prática de atividade física dos discentes e servidores da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). A amostra foi composta por 483 alunos, 49 docentes e 153 técnicos administrativos. Foram utilizados o Questionário Internacional de Atividade Física -versão curta e um questionário de dados sociodemográficos. Os resultados mostram que 61,8%
more » ... mostram que 61,8% dos participantes foram mais ativos fisicamente, evidenciando que as mulheres praticam mais atividades moderadas enquanto os homens mais atividades vigorosas, e indivíduos da área de humanas e com nível de escolaridade de mestrado e doutorado praticam menos caminhada em dias e minutos por semana. Conclui-se que os alunos foram mais ativos que os docentes e técnicos administrativos em relação a frequência e duração da prática de atividade física, destacando que indivíduos com mestrado e doutorado e pertencentes à área de humanas foram menos ativos na caminhada. Palavras-chave: Atividade Física. Estudantes. Servidor Público. Universidade. ABSTRACT Physical inactivity is considered as a risk factor for conditions unfavorable to health. The mais objective was to compare the frequency and duration of physical activity practice among students and employees of the Federal University of the Vale do São Francisco (UNIVASF). The sample composed of 483 students, 49 teachers and 153 administrative technicians. The International Physical Activity Questionnaire -short version and a sociodemographic data questionnaire were used. The results shows 61.8% of the participants were more physically active, evidencing that women practice more moderate activities while men more vigorous activities, and individuals from the human area and with masters and doctoral level of education practice less walking in days and minutes per week. In conclusion, the students were more active than the teachers and administrative technicians in relation to the frequency and duration of the physical activity practice, emphasizing that individuals with masters and doctorates and belonging to the human area were less active in the walk.
doi:10.4025/jphyseduc.v29i1.2958 fatcat:hfcg7dydjvdbvalfqb6jnhbhuu