Adenoma maligno de células cromófobas da hipófise

Roberto Melaragno Filho, Orlando Aidar, Godofredo Elejalde
1947 Arquivos de Neuro-Psiquiatria  
Estudo anátomo-clínico de um caso de adenoma maligno de células cromófobas da hipófise, com hipertensão intracraniana, hemianopsia homônima esquerda, hemiparesia capsular esquerda, hipersônia, distúrbios da memória para fatos recentes, diminuição progressiva da potência coeundi e hipoacusia, sintomatologia essa de 2 anos, precedida, um ano antes, por algumas perturbações visuais passageiras; nos últimos 6 meses, juntaram-se ao quadro clínico crises uncinadas e escarros sanguinolentos. Essa
more » ... nolentos. Essa sintomatologia encontra plena explicação no substrato morfológico observado pelo estudo radiográfico e anátomo-patológico do caso. Radiologicamente, foram constatadas a localização selar do tumor e a dilatação dos ventrículos laterais. Esses achados foram confirmados pela necrópsia, que revelou a grande extensão do tumor, com destruição das paredes da sela túrcica, partes adjacentes do corpo e das pequenas asas do esfenóide, bem como das pontas dos ossos petrosos. Expandindo-se, dum lado o tumor atravessou o osso esfenóide e fez saliência na abóbada faríngea e, doutro, invadiu e lesou, à direita, a área perfurada anterior, região pré-óptica, porções supra-óptica e tuberal do hipotálamo, tracto óptico, partes inferiores do núcleo lentiforme e do segmento lentículo-caudado da cápsula interna, e, no lobo temporal, o uncus e a porção adjacente do giro hipocampal. O quadro histológico do tumor difere do que se observa nos adenomas comuns de células cromófobas da hipófise, principalmente pelo grande polimorfismo celular, maior freqüência de figuras mitóticas, e menor regularidade do arranjo das células.
doi:10.1590/s0004-282x1947000200001 fatcat:b4ssxqv5dbfbnagyxlkpjabsb4