Passado e presente da sociologia norte-americana

Carlos Benedito Martins
2015 Revista Brasileira de Ciências Sociais  
A constituição e o desenvolvimento da sociologia norte-americana vêm merecendo uma contínua reflexão por parte de seus praticantes. Em 1990, Stephen Turner e Jonathan Turner publicaram o influente livro The impossible science: an institutional analysis of American sociology. Em um período mais recente, a trajetória histórica, social e universitária da sociologia norte-americana foi objeto de uma ampla análise explorada na coletânea Sociology in America, organizada por Craig Calhoun, que contou
more » ... alhoun, que contou com a participação de renomados acadêmicos, entre eles Stephen Turner, Patricia Collins, Charles Camic, Barbara Laslett, Andrew Abbot e Immanuel Wallerstein (Turner e Turner, 1990; Calhoun, 2007) . O livro American sociology: from pre-disciplinary to post-normal, de Stephen Turner -que tem realizado importantes contribuições acadêmicas na área de teoria social -, insere-se nessa trilha. Traça um instigante percurso da sociologia norte-americana desde seu início, no século XIX, até a época presente e sua relação com diferentes movimentos sociais existentes nesse período. Em sua perspectiva durante a fase pré-disciplinar, que cobre o final do século XIX e as primeiras décadas do século posterior, a sociologia norte-americana esteve, em grande medida, associada ao movimento de reforma social. Para o autor, no período atual, a proposta de uma sociologia pública levada a cabo por Michael Burawoy tem impulsionado também a sociologia norte-americana a estabelecer uma relação orgânica com certos tipos de movimentos sociais daquela sociedade. Na percepção de Turner, no entanto, o envolvimento da sociologia com as diferentes configurações de movimentos sociais tanto no seu período inicial como no presente pouco contribuiu para sua consolidação científica (Blau e Smith, 2006; Deegan, 1988) . A leitura do livro assinala que o início da sociologia norte-americana no século XIX e nos anos iniciais do século seguinte foi marcado por uma profunda preocupação com as ideias de reforma e de progresso social. Esse ideário mobilizava um vasto conjunto de instituições, como igrejas, organizações filantrópicas, governos estaduais etc. Em vários centros urbanos existiam charity organization societies (sociedades de organizações de caridade), que prestavam serviços para as camadas pobres dos centros urbanos, coletavam informações sobre sua situação e ao mesmo tempo procuravam formular explicações sobre as causas da pobreza. A organização de reforma social mais poderosa nesse período, Woman's Christian Temperance Union, fundada em 1874, se opunha à utilização de crianças no mercado de trabalho, pleiteava a proteção da mulher nos ambientes de domicílio e de trabalho, apoiava o voto feminino etc. Ainda em relação aos movimentos de reforma social, os atores que os integravam, como advogados, educadores e filantropos, passaram a reivindicar uma presença no meio universitário. Dessa forma, em 1880, criaram a American Social Science Association, que também foi frequentada temporariamente por uma nova geração de cientistas sociais. Essa organização buscou imprimir uma abordagem mais objetiva aos diversos problemas sociais, patrocinando a realização de vários estudos e pesquisas (surveys) apoiados por organizações filantrópicas e por fundações, tal como a Russell Sage Foundation. Esses diversos surveys realizados sobre as condições sociais de vida urbana, impulsionados pelo movimento reformista -dentre os quais se destacam The Pittsburgh Survey, realizado entre 1909 e 1914, e Springfield Survey, desenvolvido entre 1918 e 1920 -, contribuíram para despertar a atenção de uma nova geração de sociólogos sobre a existência desse rico material empírico (Calhoun, 2007, p. 1-38; Faris, 1967) . De seu lado, o meio universitário beneficiou a emergente sociologia norte-americana, em razão da reestruturação do sistema de ensino superior daquele país, iniciado no final do século XIX e fortemente influenciado pelo modelo de universidade concebido por Humbolt para as instituições alemãs, no qual a pesquisa era concebida como atividade fundamental. O surgimento de universidades
doi:10.17666/308705-17/2015.163-169 fatcat:y6djmurtkzgqlh6f2laiurvuwq