O vazio como limite, perda ou queda: uma leitura de três poemas de Rubén Darío

Marina Barzaghi de Laurentiis
2020 Revista Entrecaminos  
Este trabalho tem como objetivo fazer uma leitura de três poemas do livro Cantos de vida y esperanza (1905), de Rubén Darío, sendo eles "Nocturno (V)", "Nocturno (XXXII)" e "Lo fatal". Para isso, seguimos as considerações de Sylvia Molloy acerca da constituição do sujeito poético dariano no ensaio "Voracidad y solipsismo en la poesía de Darío". Desse modo, destacamos a relação que o eu poético estabelece com o outro – que em Darío é o vazio – em cada um dos poemas selecionados.
doi:10.11606/issn.2447-9748.v4i1p60-70 fatcat:nbat6mtv5nhqne4vbosjhwnyt4