BARBA ENSOPADA DE SANGUE: REALISMO E SUBJETIVIDADE

Michelle Aranda Facchin
2016 Revista de Letras  
<p>O presente artigo apresenta um estudo preliminar sobre os romances <strong>Barba ensopada de sangue </strong>(2012) e <strong>Até o dia em que o cão morreu</strong> (2007), escritos pelo escritor gaúcho Daniel Galera. Apresenta uma breve comparação entre o realismo oitocentista e o realismo íntimo, baseando-se nos estudos de André Breton, Erik Schollhammer e Tânia Pellegrini. Concluímos que o realismo na obra de Daniel Galera possui uma relação com as descrições, compondo o que Schollhammer
more » ... o que Schollhammer chamou de "realismo íntimo", um tipo de realismo que se ergue pelo olhar do personagem. As descrições, por sua vez, produzem um tipo de visualidade que intensifica os estados emocionais e estabelece um novo modo de pensar os efeitos descritivos na narrativa. Além de funcionarem como elementos de referência e preenchimento de lacunas na narrativa, as descrições são também importantes para a construção da subjetividade do protagonista e o modo como o mesmo se relaciona com o ambiente, sendo fundamentais para a construção do realismo íntimo nos dois romances analisados. </p>
doi:10.3895/rl.v17n21.3033 fatcat:zwucfqcrv5ex5pqaoe66hx2oji