Bibliografia artística sobre a Sé Catedral de Braga

Eduardo Pires De Oliveira
2019
Por definição, uma bibliografia nunca está completa. Não são apenas os títulos que acabaram de ser publicados, muitas vezes em pontos longínquos do mundo e que o leitor não consegue conhecer; são, sobretudo, a quantidade cada vez maior de artigos publicados numa miríade de revistas do nosso país que é extremamente difícil, senão impossível, saber da sua existência, mesmo para quem tenha acesso privilegiado ao serviço do Depósito Legal. Ou textos mais antigos, «perdidos» nas publicações mais
more » ... ublicações mais impensáveis. Ou, in-extremis, os artigos e livros que saíram entre a entrega desta artigo e a sua publicação. E não se pense que são tão poucos quanto isso pois a actividade editorial portuguesa é vertiginosa. Esta bibliografia que ora apresentamos não será, portanto, completa. Mas não deixa de ser relativamente extensa, referenciando mais de 170 peças. Como o seu próprio título avisa, não é uma bibliografia geral sobre o edifício da Sé Catedral. É, sim, apenas e só, uma bibliografia sobre os seus aspectos artísticos embora tenha havido o cuidado de incorporar alguns títulos gerais e outros que são essencialmente de carácter histórico; permitem, contudo, fazer a sempre necessária contextualização. Como é natural, não foi fácil fazer a indexação de todos os títulos. Há alguns que poderiam integrar mais do que um tema. Aí seguimos as regras da indexação e escolhemos o que nos pareceu ser o dominante, embora em dois casos optássemos por repetir esse texto em duas entradas diferentes. Pode ver-se em muitos casos a indicação de uma ou mais páginas na parte final da referência contrariando as normas vigentes neste tipo de trabalho. THEOLOGICA, 2.ª Série, 45, 1 (2010) 113-126 Eduardo Pires de Oliveira 114 A questão reside apenas no facto de referenciarmos, sempre que possível, as páginas que respeitam ao edifício da Sé de forma a que o utilizador perca o menor tempo possível. Queremos agradecer ao Dr. Elísio Araújo, actual director da Biblioteca Pública de Braga, em cujo site publicamos pela primeira vez este texto, por nos ter dado todas as facilidades para a sua republicação noutro suporte. Ao Doutor Cónego Pio Gonçalo por nos ter incentivado a publicá-lo em papel. E ao Doutor Jorge Coutinho por ter aceite esta bibliografia nas páginas da sua Theologica, revista onde desde 1992 não publicava um artigo. A todos, o meu muito obrigado.
doi:10.34632/theologica.2010.2010 fatcat:7uymx7sy2fchdojn5tcvnbznmu