DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE MARACUJAZEIRO-AZEDO ENXERTADAS EM ESPÉCIES SILVESTRES DE Passiflora

MARCOS ANTONIO DELL'ORTO MORGADO, CLAUDIO HORST BRUCKNER, LUCIANA DOMICIANO SILVA ROSADO, CARLOS EDUARDO MAGALHÃES DOS SANTOS
2015 Revista Brasileira de Fruticultura  
O maracujazeiro-azedo é acometido por diversas doenças, sendo que as do sistema radicular tendem a inviabilizar o cultivo em diversas regiões; entretanto, há espécies de Passifloras que se demonstram resistentes, sendo que tornam necessários estudos sobre a influência pela enxertia destas espécies no maracujazeiro-azedo. Portanto, objetivou-se estudar a viabilidade da enxertia e o desenvolvimento inicial de maracujazeiro-azedo (Passiflora edulis) enxertado sobre P. alata, P. cincinnata, P.
more » ... cincinnata, P. edulis, P. gibertii, P. morifolia e P. mucronata, comparadas com P. edulis não enxertado, proveniente de sementes. Aos 60 dias após a semeadura, foi realizada a enxertia por garfagem e, por um período de 105 dias, avaliaram-se a sobrevivência dos enxertos, altura da planta, comprimento dos internódios, número de folhas, diâmetro do porta-enxerto e do enxerto, área foliar e a massa da matéria seca da parte aérea e das raízes. A sobrevivência da enxertia foi superior a 90%, exceto na combinação P. edulis/P. morifolia que não apresentou brotações do enxerto e, posteriormente, morreram. A combinação P. edulis/P. gibertii tiveram menor altura do que P. edulis/P. mucronata, porém com semelhantenúmero de folhas, demonstrando que o P. gibertii teve efeito ananizante, devido à redução do comprimento dos internódios. O maior diâmetro do enxerto foi apresentado por P. edulis/P. edulis, indicando maior compatibilidade de enxertia dentro da mesma espécie. Dentre as espécies silvestres utilizadas como porta-enxerto, P. mucronata proporcionou maior desenvolvimento da parte aérea.
doi:10.1590/0100-2945-099/14 fatcat:snunjvqpfjejdowngvc2lcwzxy