VARIAÇÃO INTRAESPECÍFICA NA ANATOMIA DO LENHO DE Hevea brasiliensis (Willd. ex A. Juss.) Mull. Arg. RELACIONADA À EXTRAÇÃO DE LÁTEX

Leticia Maria Alves Ramos, João Vicente De Figueiredo Latorraca, Helena Regina Pinto Lima, Glaycianne Christine Vieira Dos Santos
2018 FLORESTA  
Neste trabalho, foi estudada a influência da exploração do látex na anatomia do lenho de seringueiras nativas. Avaliou-se a hipótese de que as características anatômicas são afetadas pela atividade de extração do látex. Para isso, foram coletadas, de forma não-destrutiva, amostras em árvores nativas exploradas e não exploradas. As coletas foram feitas na Reserva Experimental de Catuaba, localizada em Senador Guiomard (AC). A estrutura anatômica do lenho foi analisada, sendo avaliados: o
more » ... valiados: o comprimento das fibras (não-gelatinosas e gelatinosas); diâmetro total e diâmetro do lume de fibras não-gelatinosas; diâmetro e frequência dos elementos de vaso; largura, altura e frequência de raios; e a proporção de tecidos. Árvores exploradas e não-exploradas diferiram na estrutura anatômica em relação às características quantitativas. Apenas as variáveis comprimento de fibra gelatinosa, diâmetro do lume das fibras, frequência de raios e proporção de elementos de vaso e raios não apresentaram diferenças significativas pelo teste de Mann-Whitney. Os resultados mais contundentes consistiram em aumento da largura e altura de raios nas árvores extraídas, bem como maiores proporções de fibras gelatinosas nas árvores não-extraídas. As diferenças observadas entre os grupos avaliados podem ser atribuídas à demanda de carboidratos que a regeneração do fluxo de látex ocasiona nesses indivíduos. Recomendam-se maiores estudos acerca do consumo de carboidratos não-estruturais, relacionados diretamente às mudanças na estrutura do xilema de seringueira.
doi:10.5380/rf.v48i2.55584 fatcat:jlm2rgvmfndnlimjzymxatqo6a