Tempos de angústia – Eramo e Lutero no início da modernidade

Alexandre Frasato Bastos
2008 Revista Vernáculo  
Os movimentos de Reforma Religiosa no início da Modernidade foram marcantes para a formação da sociedade européia influenciando não somente o âmbito religioso, mas também o político e o social. Esta pesquisa tem como objetivo principal relacionar o Humanismo Cristão e a Reforma Religiosa, partindo do debate historiográfico que reconhece serem ambos respostas às necessidades de seu tempo, marcado por uma forte angústia coletiva experimentada no período de transição do Medievo para a Modernidade,
more » ... para a Modernidade, mas também pela atitude intelectual de conhecimento e ação no mundo. Para analisar esta relação entre ambos os movimentos, elencamos dois autores, ambos expoentes de seus respectivos movimentos: Erasmo de Rotterdam, eminente humanista cristão; e Martinho Lutero, iniciador do movimento reformista na Alemanha. A partir das leituras iniciais sobre a época, sobre a Reforma e o Humanismo, estabelecemos alguns elementos norteadores para esta pesquisa, como a definição de natureza humana para nossos autores. Erasmo, como os demais humanistas, apresentava uma visão completamente otimista da natureza humana, crendo na capacidade dos homens de criar, de realizar e de buscar sua própria salvação. Lutero, por outro lado, não partilhava desta visão, pois para ele o homem já nasce corrompido pelo pecado original, sem possibilidade de livrar-se desta marca, estando sua salvação totalmente nas mãos de Deus, restando ao homem somente a necessidade de ter fé. Lutero trilhou um caminho que o levou à excomunhão da Igreja Católica, pois muitos pontos do que defendia iam contra aspectos cruciais do catolicismo, como a sua teoria do sacerdócio universal, baseada na Primeira Epístola de São Pedro, que atestava
doi:10.5380/rv.v1i21/22.20825 fatcat:jzz4jfxmundzngmquz2whoytby