Comparação entre métodos subjetivos e objetivo para avaliação de pacientes submetidos a cirurgias funcionais nasais

José Jarjura Jorge Júnior, Godofredo Campos Borges, Martti Anton Antila, Ana Paula Berenguer Ribeiro da Silva, Andre Canettieri Rubez, Augusto Riedel Abrahão
2019 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba  
Introdução: A septoplastia e a turbinectomia são as cirurgias funcionais nasais mais comuns realizadas pelos otorrinolaringologistas. Métodos objetivos e subjetivos podem ser aplicados para avaliar os resultados obtidos. Objetivo: Comparar três métodos subjetivos com um método objetivo de avaliação da obstrução nasal em pacientes submetidos a cirurgias funcionais nasais e analisar a eficácia dessas cirurgias no pós-operatório a curto prazo (35 a 45 dias) e em longo prazo (seis meses). Métodos:
more » ... s meses). Métodos: Trinta pacientes submetidos a cirurgias funcionais do nariz foram avaliados no pré-operatório, pós-operatório precoce entre 30 e 45 dias e pós-operatório tardio de seis meses, por meio do método objetivo do Peak Flow, e de escalas subjetivas: Escala Visual Analógica (EVA), Nasal Index Score (NIS) e escala Nasal Obstruction Symptom Evaluation (NOSE scale). Resultados: Todos os métodos mostraram eficácia significativa das cirurgias em pacientes com obstrução nasal nos pós-operatórios precoce e tardio. O Peak Flow mostrou uma melhora de 65% do fluxo inspiratório. As escalas NOSE, NIS e EVA também mostraram melhora significativa da obstrução nasal. Na comparação entre as escalas NOSE, NIS e EVA com o Peak Flow, não se encontrou diferença significativa entre o pré-operatório e os pós-operatórios inicial e tardio (p≥0,05). Conclusão: Há grande relação entre os métodos subjetivos NOSE, NIS e EVA e o objetivo (Peak Flow), podendo-se usar qualquer um deles para a avaliação da obstrução nasal.
doi:10.23925/1984-4840.2019v21i3a4 fatcat:7pdnyvizhzdmfgiygt7bj7s34e