ALCÁZAR, Joan Del. Yo pisaré las calles nuevamente: Chile, revolución, dictadura, democracia (1970-2006). Santiago de Chile: Editorial Universidad Bolivariana, 2009, 121 p

JANAÍNA ALEXANDRA CAPISTRANO DA COSTA
2014 História e Cultura  
Em 2014 o Chile iniciou um novo mandato presidencial, a reeleição de Michelle Bachelet em novembro de 2013 ocorrera no contexto das solenidades referentes ao cumprimento dos quarenta anos do golpe de Estado de 1973. A intervenção militar que pôs fim ao projeto de transição democrática ao socialismo então encabeçado pelo Presidente Salvador Allende Gossens. Este aspecto da contenda política auferiu-lhe nuances dramáticas, pois os embates que envolveram o país nessas duas experiências limite, ou
more » ... iências limite, ou seja, um governo revolucionário de esquerda e uma sangrenta e terrorífica ditadura, permanecem vivos na memória dos chilenos. Através da polarização eleitoral entre Bachelet, pela coalizão de centro-esquerda chamada Nova Maioria e Evelyn Mattei a candidata da UDI (União Democrática Independente), pela coalizão de direita denominada Aliança por Chile, muitas lembranças desse passado recente vieram à tona expondo, assim, as raízes dos novos acontecimentos. Dentre os muitos enclaves gerados nas associações com o passado, mesmo a história pessoal das candidatas, por exemplo, evocava com veemência essa relação com o tempo pretérito. Os pais das candidatas, o General Alberto Bachelet e o General Fernando Matthei eram amigos próximos, quando alguns meses depois do golpe, o General Alberto foi torturado e morto nos porões da Academia de Guerra da Aviação então presidida pelo General Fernando. O livro do historiador espanhol da Universidade de Valencia Joan del Alcázar é uma obra que nos desvela e nos ensina a ver as raízes dos hodiernos acontecimentos no Chile sem, no entanto, torná-las estéreis. Para isso, o autor nos conduz através de uma argumentação que sublinha, tanto a importância dos parâmetros exigidos pelo oficio de historiador em sua prática e ensino, quanto das opções e responsabilidades políticas deste profissional. Este aspecto ético, enquanto um aspecto fundamental é geralmente desprezado em relação ao rigor metodológico, mas é interessante notar como no livro essa relação é assumida abertamente sem nenhum prejuízo, porque o autor encontra um equilíbrio entre o rigor e a experiência. Esse equilíbrio permite que a História ao ser
doi:10.18223/hiscult.v3i3.1036 fatcat:hbp5eiqxzvbnzjegoqx7rkhdcu