Feitiçaria e iluminismo: traduções e estratégias editoriais em Portugal no Século XVIII

Cláudio DeNipoti, Magnus Roberto De Mello Pereira
2014 Revista Maracanan  
Resumo: O ato de traduzir e publicar livros pode ser visto como um conjunto de práticas culturais, mas também como estratégia de exercício de poder, além de marcar diferenças identitárias. Na segunda metade do século XVIII, duas obras originalmente escritas em italiano foram traduzidas para o português, e publicadas com aval oficial, por um letrado ligado à estrutura administrativa pombalina. Diversas questões emanam deste fato. A primeira diz respeito ao tema da feitiçaria na historiografia
more » ... a historiografia contemporânea e a compreensão atual do tema. A segunda questiona como funcionou o tema no desenvolvimento do pensamento iluminista em geral. A terceira se pergunta sobre a função da tradução destes livros no contexto português do fim do século XVIII e, finalmente, sobre como os "agentes" da ilustração portuguesa percebiam sua própria ação e inserção em práticas culturais relacionadas à palavra escrita. Este texto busca apontar caminhos que levem a respostas, ainda que parciais, para esse amplo questionário. Abstract: The act of translating and publishing books can be seen as a set of cultural practices, but also as strategies of power exercise, besides marking identity differences. During the second half of the 18 th Century, two books originally written in Italian were translated into Portuguese, and published with official approval, by a scholar linked to the administrative structure of the Marquis de Pombal. Several questions come out from this fact. First, regarding the theme of sorcery and witchcraft in contemporary historiography and its modern understanding. The second question is about how the theme of witchcraft worked within the development of Enlightenment in general. The third is about the function of these books' translations in the Portuguese context at the end of the 18 th Century and finally, about how the "agents" of Portuguese Enlightenment perceived their own actions and involvement in cultural practices related to the written word. This text tries to show ways leading to answers, even partial ones, to such vast questionary. Artigo recebido para publicação em: julho de 2014 Artigo aprovado para publicação em: setembro de 2014 Feitiçaria e Iluminismo: traduções e estratégias editoriais em Portugal no Século XVIII v.10, n.10, Janeiro/Dezembro 2014, p. 48-63 49 Nas últimas décadas do século XVIII, dois livros sobre feitiçaria foram traduzidos e publicados em Portugal: a Defeza de Cecilia Faragó, de Giuseppe Raffaelli, publicado em 1775, e a Arte Mágica Aniquilada, de autoria do filósofo ilustrado Scipionne Maffei, publicado em 1783. 1 O tradutor foi o vice-reitor do Colégio dos Nobres, José Dias Pereira. Em si, estes fatos não deixam o historiador em alerta, uma vez que a segunda metade do século XVIII foi profícua em traduções e publicações sobre a mais ampla gama de assuntos que se possa imaginar, desde os princípios daquilo que hoje conhecemos como ciência até sólidas correntes literárias da tradição ocidental. 2 A singularidade da tradução e publicação desses livros reside, no entanto, no fato de que eles foram os dois principais libelos italianos de meados do século XVIII a combaterem a existência de feitiçaria. Além disso, chama a atenção o fato de não terem sido traduzidos para outro idioma que não o português.
doi:10.12957/revmar.2014.13749 fatcat:awn3bjlkgnabhgk3ffadpanyle