A importância da natureza, dos jardins e da arte da jardinagem nas utopias de Morus a Howard

Ana Rodrigues
unpublished
Citação: Rodrigues, Ana Duarte, "A importância da natureza, dos jardins e da arte da jardinagem nas utopias de Morus a Howard", E-topia: Revista Electrónica de Estudos sobre a Utopia, n.º 14 (2013). ISSN 1645-958X. I will undertake, then, to show how in "Town-country" equal, nay better, opportunities of social intercourse may be enjoyed than are enjoyed in any crowded city, while yet the beauties of nature may encompass and enfold each dweller therein; how higher wages are compatible with
more » ... mpatible with reduced rents and rates; how abundant opportunities for employment and bright prospects of advancement may be secured for all; how capital may be attracted and wealth created; how the most admirable sanitary conditions may be ensured; how beautiful homes and gardens may be seen on every hand; how the bounds of freedom may be widened, and yet all the best results of concert and cooperation gathered in by a happy people. Ebenezer Howard, Garden City of Tomorrow O conceito de cidade-jardim de Ebenezer Howard surge pela primeira vez no texto Tomorrow: A Peaceful Path to Real Reform (1898), que ficou mais conhecido através da edição revista de 1902 com o título Garden Cities of Tomorrow. O excesso de fluxo de população às grandes cidades, sentido em plena Revolução Industrial, justificou a necessidade e a urgência da proposta de Howard: criação de cidades-satélite, independentes, em volta das grandes cidades, projetadas à escala humana, consubstanciando o melhor que a vida da cidade e a vida do campo têm para oferecer, potencializando, no processo, uma nova era de solidariedade e cooperação na sociedade inglesa. Howard criou o conceito de cidade-jardim em sentido oposto ao prevalecente no império inglês de então, com a intenção de proporcionar aos indivíduos mais liberdade e, ao mesmo tempo, renovar a vida em comunidade. Ideologicamente, o conceito de cidade-jardim encontrava-se nos antípodas da mentalidade imperialista e capitalista vigente. A visão utópica de Howard constituiu um modo de tentar resolver os problemas de pobreza, poluição e insalubridade sentidos em contexto urbano com o desenho de novas cidades em que a arte paisagista desempenhava um papel primordial na projeção de parques e jardins no traçado urbanístico, e também na estreita relação que visava estabelecer com o mundo rural. Cidade e campo são aqui entendidos em dialética pois o conceito de cidade-jardim é verdadeiramente vantajoso já que soma todos os benefícios obtidos na vida da cidade e na vida do campo sem as desvantagens observadas num e noutro caso quando isolados (Howard 1965: 47). Desta associação, uma nova esperança iria nascer. Nas palavras de Howard: "Town and country must be married, and out of this joyous union will spring a new hope, a new life, a new civilization" (Howard 1902: 18). Para além de uma maior proximidade com o campo e com a natureza, na sua proposta, o jardim estava sempre presente nas mais variadas tipologias, com diferentes funções, justificando assim a definição deste novo conceito de urbanismo. A cidade-jardim de Howard organiza-se em vários círculos concêntricos, sendo que a zona residencial começa na 5.ª Avenida adjacente ao Palácio de Cristal, no qual uma parte é utilizada como Jardim de Inverno, 2 e termina na 1.ª Avenida adjacente à indústria nos arredores da cidade. Na 3.ª Avenida encontrava-se o cinturão verde da cidade e com esta localização Howard garantia que nenhuma casa ficava muito distante do parque. No centro existe um jardim onde abunda a água. 3 Por todo o lado, pululam jardins e hortas comunitárias: Noticing the very varied architecture and design which the houses and groups of houses display-some having common gardens and cooperative kitchens-we learn that general observance of street line or harmonious departure from it are the chief points as to house
fatcat:4ssqhev7bbetlhglz2qmxefgki