A arte de nomear: leituras (trans)gressoras de gênero a partir de uma obra dadaísta de Marcel Duchamp

Cláudio Eduardo Resende Alves, Magner Miranda de Souza, Maria Ignez Costa Moreira
2017 Revista Periódicus  
<p>Um nome pode revelar um papel no mundo, ele faz parte dos atos performáticos do cotidiano, podendo compreender uma infinidade de interpretações e representações. A<strong> </strong>discussão polissêmica do objeto "nome" em interface com as teorias pós estruturalistas de gênero é problematizada a partir da ótica queer e do movimento dadaísta do século XX. Propõe-se uma breve reflexão crítica sobre o artista dadaísta Marcel Duchamp que, numa de suas obras, utiliza a linguagem da travestilidade
more » ... m da travestilidade como forma de expressão artística, cultural, social e política, dando vida a Rrose Sélavy - seu segundo eu feminino. A manifestação artística configura-se como um potente instrumento de leitura da diferença e da alteridade na produção de subjetividades dissidentes.</p>
doi:10.9771/peri.v1i6.20552 fatcat:2sh72pquxbcklcpnsmuerk33bu