Práticas integrativas e complementares - análise documental e o olhar de profissionais da saúde

Luciana Elisabete Savaris, Beatriz Böger, Anna Cláudia Savian, Andressa Siqueira Jansen, Milene Zanoni da Silva
2019 Revista Brasileira em Promoção da Saúde  
Este artigo está publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições, desde que o trabalho seja corretamente citado. RESUMO Objetivo: Investigar a implantação das práticas integrativas e complementares e avaliar o uso, formação e aceitação dessas práticas pelos profissionais que atuam na Atenção Primária à Saúde (APS). Métodos: Estudo dividido em dois momentos: a) documental retrospectivo, realizado
more » ... pela leitura sistemática dos relatórios das Conferências Municipais de Saúde (2005)(2006)(2007)(2008)(2009)(2010)(2011)(2012)(2013)(2014)(2015) de Curitiba, Paraná, Brasil, identificando propostas relativas à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC); b) quantitativo transversal, realizado em um Distrito Sanitário de Saúde do município analisado, em 2017, com 240 profissionais de Unidades Básicas de Saúde (UBS). Coletaram-se os dados a partir de entrevista semiestruturada, a qual incluiu variáveis socioeconômicas e as práticas integrativas e complementares (PIC): conhecimento da PNPIC; formação em PIC; desenvolvimento de PIC na APS; acesso ao encaminhamento; ser usuário de PIC; opinião sobre benefícios das PIC na APS. Os resultados foram analisados por meio de frequências e percentuais. Resultados: Das 2.975 propostas analisadas, identificaram-se 20 referentes à PINPIC, o que representa 0,71% do total. Os dados primários apontam que 81,3% (n=195) dos profissionais desconhecem a PNPIC, 98,7% (n=237) acreditam nos benefícios da oferta da APS, 5,8% (n=14) possuem formação e, destes, 2,1% (n=5) ofertam PIC na APS. Conclusão: A proposta de implantação de PIC no município investigado é incipiente. No distrito sanitário estudado existe pouca utilização, embora haja um crescente interesse e aceitação das PIC pelos profissionais da saúde que atuam na APS. ABSTRACT Objective: To investigate the implementation of integrative and complementary practices and assess the use, training and acceptance of these practices by professionals working in Primary Health Care (PHC). Methods: The study was held in two stages: (a) a retrospective documentary analysis was done through systematic reading of the reports of the Municipal Health Conferences (2005-2015) held in Curitiba, Paraná, Brazil to identify proposals related to the National Integrative and Complementary Practices Policy (Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares -PNPIC); (b) a cross-sectional quantitative study was conducted in a Sanitary District located in the analyzed municipality in 2017 with 240 professionals in eight PHC centers. Data were collected through semi-structured interviews that addressed socioeconomic variables and integrative and complementary practices (ICP): knowledge of PNPIC; ICP training; ICP practice in PHC; access to referral; being a user of ICP; opinion on benefits of ICP in PHC. The results were analyzed using frequencies and percentages. Results: Of the 2,975 proposals analyzed, Savaris LE, Böger B, Savian AC, Jansen AS, Silva MZ Rev Bras Promoç Saúde. 2019;32:9439 2
doi:10.5020/18061230.2019.9439 fatcat:f5tihejwbvfffjdfjcqucsbvxi