O significado do cuidado para a criança hospitalizada [thesis]

Rocío Elizabeth Chávez Alvarez
À Sagrada Família, Deus, Jesus e Maria, por ser minha fonte de fé e amor e pela companhia amiga na caminhada de alegrias e tristezas, durante toda a minha vida e, especialmente, pela força sempre presente, na realização desta dissertação; Aos meus amados pais, Marcos e Magna, pelo estímulo constante e o cuidado carinhoso de toda uma vida dedicada à minha família e por acreditarem sempre em mim e nas minhas decisões; Aos meus irmãos, Pedro, Sonia e Antonio, pelas gratas e felizes lembranças da
more » ... zes lembranças da nossa infância e pela compreensão e apoio incondicional. A uma pessoa e, agora um anjo muito especial, que sempre me incentivou a continuar pelo caminho dos meus sonhos, até no ultimo momento de sua vida, que Deus a tenha na sua glória Profª Às crianças e suas famílias que fizeram parte fundamental do trabalho, com as quais compartilhei brincadeiras, carinho e alegrias no Hospital Universitário da USP, por me oferecer a oportunidade de conhecer parte de suas vidas e me abrir seus corações; Aos meus queridos familiares, que são presença de estímulo constante e pelo carinho de sempre, não os tenho esquecido, os levo no meu coração! Aos amigos que conheci durante estes dois anos no Brasil, tanto brasileiros como estrangeiros, pelo acolhimento, carinho, atenção, alegrias e tristezas que experimentamos juntos. Muito Obrigada! Ao Programa de Estudantes Convênio de Pós-Graduação (PEC-PG) da USP, pela contribuição financeira e organizacional durante a realização do Mestrado em Enfermagem Pediátrica. ABSTRACT CHÁVEZ ALVAREZ, RE. The meaning of the care for the hospitalized child. [dissertação]. São Paulo (SP): Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo; 2002. 96p. This qualitative study was conducted having hospitalized children from 7 to 12 years old as participants. The research using the Symbolic Interactionism as theoretical framework and Oral History as methodological approach, aimed to understand the meaning of caring to the child while living the hospitalization. Data were obtained from participant observation, drawing and interviews with the children and also with the mothers, as informants of the child experience. Four themes emerged from the interpretation process: Worrying when the illness arises and changes the regular caring; Noticing changes in my caring during the illness and hospitalization; Describing the meaning of caring in illness and hospitalization; Revealing my feelings in preparation for returning to my regular caring in life. This research allowed a reflection about the caring experienced by hospitalized children and the impact of words as kindly, help and actions have in their lives and in their interactions mediated by caring. Comprehensive Health Care para elas, já que as enfermeiras e médicos não tinham mais esse espírito nem o tempo para se dedicar a isso. Posteriormente, quando esta docente sofreu um acidente, horas antes de morrer, voltou a falar comigo e disse-me: "não abandone meus filhos, as crianças e dê para eles o que eu não pude dar, um verdadeiro cuidado". Nesse momento, não entendi, pois, ela era uma excelente enfermeira e as crianças eram sua paixão. Continuava me questionando então: "Será que é assim o cuidado de enfermagem?, Será que a criança está satisfeita com o que fazemos?, O que ela pensa de nossa atuação?" Para esclarecer meus questionamentos, tentava ficar mais perto da criança e do familiar, saindo da rotina que me era designada como aluna. Brincávamos, fazíamos jogos, contávamos piadas, falávamos do que elas gostavam, levava recados para a mãe que, geralmente, ficava na sala de espera. Porém, ao ser percebida pelos professores, estes me sugeriam para voltar às minhas ocupações como aluna, porque isso era aprender a ser enfermeira. Após a formatura, trabalhei em hospitais públicos e serviços comunitários, tendo contato com crianças, tentava colocar em prática os conhecimentos aprendidos e avançar na medida em que os pacientes manifestavam seu conforto ou desconforto, face ao que eu fazia; modificando, muitas vezes, minha assistência para melhor satisfazê-los. Mas sentia ainda um vazio no meu cuidar, como se algo faltasse, e necessitasse fundamentos mais concretos e científicos. Minha ansiedade aumentava sempre que me surpreendia questionando o meu modo de cuidar, perguntava-me: " será que estou errada?" porque as figuras hierárquicas continuavam me alertando que eu gastava muito tempo com os pacientes.
doi:10.11606/d.7.2002.tde-05052009-095705 fatcat:ec4yyn4k5newxiwkcp3xzsm2dy