Análise de caso de maus-tratos contra três leões (Panthera leo Linnaeus 1758) na cidade de Pouso Alegre, estado de Minas Gerais - relato de caso

Marcos Vinícius De SOUZA
2019 Multidisciplinary Science Journal  
This study demonstrates that mistreatment of captive wildlife is still a reality in the national territory. The objective of this study was to report cases of maltreatment of the three lions (Panthera leo), male and adult, at the Pouso Alegre Municipal Zoo -MG, Brazil, based on analyzes involving the clinical, expert and necroscopic profile. It is also noted that the number of mistreatment of captive wild animals is probably greater than or equal to animals coming from trafficking. However, the
more » ... cking. However, the absolute confrontation of these data or information is impracticable on the assumption that a large portion of the specimens is in hiding or without proper supervision. The type of maltreatment practiced and suffered by these animals ranges from an unbalanced diet to the absence of a complete and serialized clinical record. Introdução A manutenção de animais selvagens em zoológicos é cultural e iniciou com os egípcios, pequenos gatos selvagens, babuínos e leões, eram capturados durante suas viagens e batalhas, como símbolo de força e poder os mesmos eram mantidos em seus templos (Sanders e Feijó 2007). O domínio é a forma utilizada pela civilização ocidental nas relações do homem com o animal. A crença bíblica de que Deus outorgou ao homem o domínio sobre todas as criaturas e do pensamento filosófico que a desenvolveu tem generalizado as atividades de maus-tratos aos animais, assentado numa dualidade ontológica, na qual vem legitimando todo tipo de exploração dos animais (Dias 2000) . RESUMO Este estudo demonstra que maus-tratos a animais selvagens cativos ainda é uma realidade no território nacional. Objetivou-se relatar casos de maus-tratos praticados contra os três leões (Panthera leo) do sexo masculino e adultos no Zoológico Municipal de Pouso Alegre, MG, Brasil, a partir de análises que envolveram o perfil clínico, pericial e necroscópico. Constatou-se também que o número de maus-tratos a animais selvagens cativos provavelmente seja maior ou igual a animais advindos do tráfico. Porém, o confronto absoluto desses dados ou informações são inviáveis, partindo do pressuposto que uma grande parcela dos exemplares se encontra na clandestinidade ou sem a devida fiscalização. O tipo de maus-tratos praticados e sofridos por estes animais vão desde uma dieta não equilibrada, à ausência de um registro clínico completo de forma seriada e padronizada.
doi:10.29327/multiscience.2019003 fatcat:czgy6otnxbcezemt77t7bcbxey