Cervantes e a nova arte de novelar em 'Rinconete y Cortadillo' [thesis]

Paula Renata de Araújo
Autorizo a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer meio convencional ou eletrônico, para fins de estudo e pesquisa, desde que citada a fonte. À professora Maria Augusta da Costa Vieira, por aceitar-me como sua orientanda, pelo trabalho de orientação desta dissertação, mas, sobretudo, agradeço pelos anos de convivência que me proporcionaram grande aprendizado e maturidade acadêmica. Aos professores María de la Concepción Piñero Valverde e Claúdio Bazzoni, pelos
more » ... Bazzoni, pelos valiosos comentários e sugestões no exame de Qualificação e também pela atenção e disponibilidade em diversas ocasiões. Ao professor Mario Miguel González, pelas orientações sobre a literatura picaresca, pelos empréstimos de livros e pelo incentivo ao longo do Mestrado. Ao professor Jorge García López, pela bibliografia sugerida na ocasião em que escrevia meu projeto de Mestrado. Pelos livros e artigos enviados da Espanha, pelas produtivas conversas nos corredores do congresso em Santiago, pelo incentivo e pela confiança. Aos professores Adma Fadul Muhana e João Adolfo Hansen, pela disponibilidade em orientar-me sobre algumas questões deste trabalho, apontando novos caminhos para a análise da novela. Aos professores Ruth Fine, Lía Schwartz e José María Pozuelo Yvancos, pela acolhida e atenção no "Curso de Jóvenes Hispanistas" em Madri e pelas esclarecedoras conversas sobre "Rinconete y Cortadillo", a sátira e a picaresca. Aos integrantes do Grupo de Estudos "Seminários Cervantes", pela enriquecedora convivência, especialmente à Ana Cruz, Cristina La Greca, Denise Chammas, Rosângela Schardong e Silvia Massimini. À COSEAS-USP, pela bolsa-moradia concedida nos anos da graduação e início do Mestrado. A moradia do CRUSP me proporcionou a oportunidade de poder me dedicar aos estudos de maneira integral, facilitando o meu acesso à universidade. À Luiza Martins, pela amizade incondicional, pela presença cotidiana indispensável. Por dividir comigo seu talento acadêmico, pela sinceridade de suas palavras, pela leitura do trabalho, pelos abraços, pelas broncas, por ser inúmeras vezes mais irmã que amiga. Não posso imaginar como teria sido sem ela. Por ser, por esses e outros tantos motivos, uma inspiração para mim. À Rose, pela sólida amizade que me acompanhou desde o início de nossa convivência. Por dividir comigo, de maneira generosa, suas experiências, seus livros sobre Cervantes e sua trajetória inspiradora. Pelas longas conversas telefônicas, pelo otimismo inabalável, pela confiança e pelo jeito carinhoso de me fazer entender as coisas. Por ainda estar aqui e continuar me inspirando, sempre. Ao Ivan Gotardelo, meu irmão do coração, pessoa iluminada, fundamental na minha trajetória acadêmica e na minha vida. Por me ensinar o valor da amizade nos anos de convivência na graduação e no CRUSP. Por me incentivar sempre, por me fazer rir, por cuidar de mim. À Silvana Moreli Vicente Dias, pela revisão cuidadosa da dissertação, pela leitura atenta e pelas valiosas opiniões na etapa de finalização, mas, sobretudo, pelos incontáveis gestos de amizade e por seu carinho e generosidade. À Isabel pela doçura inspiradora do seu sorriso. À Cibelle Correia, pela valiosa amizade nascida nos anos de CRUSP e na graduação. Pela presença generosa em diversos momentos, pela motivação, pelas correções na redação final do trabalho e por ser uma inspiração para mim. À Rosana Alves Dias, por ser a amiga de todas as horas, pela doçura de suas palavras, pelo entusiasmo e apoio constantes. À Nuria Carbó, pelos inúmeros gestos de amizade, pelo carinho e preocupação. Pela convivência diária e motivação. A minha amiga cervantista Giselle Migliari, pelo companheirismo e pela leitura atenta de parte do trabalho. À Regina de Souza, pela motivação e entusiasmo. Pelas carinhosas palavras de incentivo, pela delicadeza de seus conselhos. À Rosângela Dantas, pela amizade constante, pelos empréstimos de livros, pelas conversas agradáveis na volta do colégio, pelos conselhos preciosos. À Silvia Mera Ponce, à Macarena Cortes e à Ana Beatriz Ottoni, pela convivência agradável, pelo carinho e pela torcida durante todo o processo. À Andresa Guimarães, pela amizade e incentivo nos primeiros anos do Mestrado. Por compartilhar tantos momentos importantes em minha trajetória. À Arlete Oliveira e à Greice de Nóbrega e Sousa, pelos anos gostosos da graduação, pelo apoio e pela amizade que não enfraquecem com a distância. Ao Alfredo Cesar Melo, por estar presente de modo especial em minha trajetória, por me ouvir, por me emprestar seu computador, por me acompanhar em Madri, por ser uma referência acadêmica para mim, por, apesar da distância, ainda estar presente de algum modo. Ao Leandro de Assis e ao Amilkar Moura por, em diferentes momentos, terem contribuído de algum modo para realização deste trabalho, seja pela amizade carinhosa, seja pela leitura ou revisão de alguma parte do mesmo. Ao Fábio Gondo, pelo companheirismo, pela leitura do meu projeto de mestrado, pelas caronas para a USP, por estar em momentos decisivos. Ao Martín Aguirre, que iluminou de maneira peculiar parte do processo de construção deste trabalho. À Maria Aparecida Nicoletti e à Débora Cristina Simetta, por me acompanharem de maneira especial durante a realização do trabalho, pela disponibilidade e pelo carinho. Ao Márcio, ao Wagner e ao Carlos, pelos momentos agradáveis de conversa e café na Padaria Nóbrega, por cuidarem de mim de algum modo. Ao Dimas, ao Bira e ao Rodrigo, pelas mais diversas manifestações de apoio durante minha trajetória acadêmica, pela amizade que o tempo não apaga. À Dayane Pal, pelos delicados gestos de amizade, pela companhia e apoio em momentos decisivos. Por ter me acolhido diversas vezes em sua casa, por cuidar da Lóri, por me inspirar academicamente. Ao Gabriel Medeiros, pelo carinho e apoio nos momentos finais desse Mestrado. Pelo envolvimento e paciência. Pelos momentos de música ou cinema. Ao Colégio Bandeirantes, por me conceder uma bolsa de estudos na Universidade de Alcalá de Henares na Espanha no início do Mestrado, por facilitar o meu acesso a congressos e por reconhecer o meu trabalho. A minha tia Arlete O. Passos, por apoiar de maneira especial os meus estudos desde muito cedo. Por ser amiga e generosa, por acreditar sempre em mim. A minha avó Olga, as minhas tias e tios pelo afeto, pelos valores transmitidos desde a infância, por, apesar da distância, estarem presentes de algum modo. Aos meus primos queridos, por sempre torcerem por mim, especialmente à Walkiria Binas Rêgo, pelo apoio e companheirismo. Agradeço especialmente a minha família, pelo carinho e apoio incondicionais. Aos meus irmãos Bruno e Maurício, pelas variadas formas de ajuda e carinho, e as minhas cunhadas Danusa e Alessandra pela força. À Alê e ao Maurício agradeço também a disponibilidade em revisar uma parte deste trabalho. Ao Martín pela alegria e ternura dos últimos dois anos. Ao meu irmão caçula Gabriel, agradeço o companheirismo e a presença constante durante todo o processo do Mestrado, por me ajudar com a bibliografia, por simplesmente me esperar terminar a dissertação para gente poder passear. Agradeço de modo especial a minha mãe, por ter me ensinado a ser forte, a ter ética e dignidade, por me dar colo, por acreditar incondicionalmente na minha vitória. ARAÚJO, Paula Renata de. Cervantes e a nova arte de novelar em "Rinconete y Cortadillo", 2010. Dissertação (mestrado). Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, São Paulo. Resumo O presente trabalho tem como objetivo contextualizar a novela exemplar "Rinconete y Cortadillo" no conjunto da obra de Miguel de Cervantes, bem como analisá-la estabelecendo o diálogo com alguns gêneros literários de sua época, como a picaresca e o teatro. Será examinada a trajetória do texto desde sua menção no Dom Quixote de 1605 até a sua publicação entre as Novelas Exemplares em 1613. Serão estudados os diversos discursos presentes na composição da obra, considerada a grande aproximação de Cervantes à literatura picaresca. Ao incorporar elementos do gênero dramático à narrativa, o autor realiza, com comicidade, uma interessante aproximação aos temas cotidianos, assim como a comédia o fazia. Será possível observar como "Rinconete y Cortadillo" expõe, de maneira cômica e satírica, algumas máculas e vícios da sociedade sevilhana dos séculos XVI e XVII. Palavras-Chave: Novelas Exemplares, literatura picaresca, teatralidade, comicidade, literatura espanhola do século de ouro, Miguel de Cervantes. ARAÚJO, Paula Renata de. Cervantes and the new art of writing novels in "Rinconete y Cortadillo", 2010. Dissertação (mestrado). Abstract The objective of this work is to contextualize 'Rinconete y Cortadillo' exemplary novel within the works of Miguel de Cervantes and analyze it by establishing a dialogue with some of the literary genres of its time, namely the picaresque novel and drama. This current dissertation examines how the text evolves since it was first mentioned in Don Quixote (1605) until its publication among the Exemplary Novels in 1613. I will analyze the several forms of speech pervading the novel in light of Cervantes propinquity to the picaresque literature .By incorporating into the narrative drama-related elements, the author brings his work to deal more closely with everyday topics, as comedy has been used to. Thereby one can notice how 'Rinconete y Cortadillo' displays, both comically and satirically, certain vices and blemishes present in the 16th-and 17thcentury Sevillan society. Key words: Exemplary Novels, picaresque literature, theatrical aspects, comic aspects, Spanish literature from the Golden Age, Miguel de Cervantes. ARAÚJO, Paula Renata de. Cervantes y el nuevo arte de novelar en "Rinconete y Cortadillo", 2010. Dissertação (mestrado). Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, São Paulo. Resumen Este trabajo tiene por objetivo contextualizar la novela ejemplar "Rinconete y Cortadillo" en el conjunto de la obra de Miguel de Cervantes, así como analizarla estableciendo el diálogo con algunos géneros literarios de su época, la picaresca y el teatro. Será investigada la trayectoria del texto desde su cita en el Quijote de 1605 hasta su publicación entre las Novelas Ejemplares en 1613. Serán estudiados los diversos discursos presentes en la composición de la obra, considerada la gran aproximación de Cervantes a la literatura picaresca. Al incorporar elementos del género dramático a la narrativa, el autor realiza, con comicidad, un interesante acercamiento a los temas cotidianos, como lo hacía la comedia. Asimismo, será posible observar cómo "Rinconete y Cortadillo" exhibe, de modo cómico y satírico, algunas máculas y vicios de la J da novela, como se verá ao longo deste estudo, é sua pluralidade, sua abertura para o contato com os mais variados gêneros narrativos ou não, o que a torna um gênero quase tão popular quanto as comédias de seu tempo. 6 Cervantes refere-se às narrativas traduzidas ou imitadas das quais se distancia: mas a que narrativas se remete? Na mais recente edição das Novelas Exemplares, García López diz: "el género de referencia de la colección lo constituye la novela corta italiana, y en menor medida el cuento medieval" 7 . A questão nem sempre se restringiu a isso, posto que também houve a tendência de vincular as Novelas Exemplares à tradição medieval dos exempla 8 . Dentro da mencionada multiplicidade de motivos literários pré-existentes e coexistentes, Cervantes optou por nomear a sua coleção como Novelas Exemplares, o que a vincula, não sem alguma ironia, à tradição de textos da literatura didática: Heles dado nombre de ejemplares, y, si bien lo miras, no hay ninguna de quien no se pueda sacar algún ejemplo provechoso; y si no fuera por no alargar este sujeto, quizá te mostrara el sabroso y honesto fruto que se podría sacar, así de todas juntas, como de cada una de por sí. 9 É possível levantar algumas hipóteses imediatas, mas a polêmica da exemplaridade das novelas cervantinas continua vigente e, inclusive, este trabalho se ocupará dela mais adiante. Ao nomear suas novelas como exemplares, Cervantes desvia o leitor de uma possível classificação de suas 6 Há, entre outros exemplos, a clássica referência que faz Avellaneda no Quixote apócrifo de que Cervantes escrevia comédias em prosa: "Conténtese con su Galatea y comedias en prosa, que eso son las más de sus novelas: no nos canse". Também Lope de Vega, em sua novela "El desdichado por la honra", faz uma analogia entre comédia e novela: "Demás que yo he pensado que tienen las novelas los mismos preceptos que las comedias, cuyo fin es haber dado su autor contento y gusto al pueblo, aunque se ahorque el arte".
doi:10.11606/d.8.2010.tde-26042010-164035 fatcat:etyqqhmcvfgktmlcj4tfest424