CONFORTO TÉRMICO DE TRABALHADORES RURAIS DURANTE A COLHEITA DO TABACO

Z. B. Oliveira, A. E. Knies, E. L. Bottega
2020 Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas  
A cultura do tabaco é desenvolvida principalmente em propriedade familiar por necessitar de mão-de-obra intensiva e pouco mecanizada. O presente trabalho tem como objetivo investigar o conforto térmico de trabalhadores rurais durante a colheita do tabaco, utilizando os índices de conforto térmico: Índice de temperatura e umidade (ITU) e Temperatura Equivalente de Windchill (Twc), na região do Vale do Rio Pardo -RS. Para isso, primeiramente realizou-se a coleta de informações por meio de um
more » ... por meio de um questionário respondido por 80 produtores rurais e, posteriormente, foi realizada uma análise bioclimática por meio do cálculo e interpretação dos índices. A análise dos índices e os tipos de desconfortos sentidos durante a colheita do tabaco relatados pelos produtores rurais, são indicativos de estresse calórico no turno de trabalho da tarde (14:00 às 19:00 h) para os meses de dezembro e janeiro. Já, para o turno de trabalho da manhã, a sensação térmica é de frio (< 15ºC), em função da velocidade do vento existente na região (>2,0 m/s). Pausas na atividade de colheita devem ser realizadas no período da tarde, em que o estresse calórico existe em função das condições meteorológicas e pode ser potencializado com estresse físico acumulado ao longo do dia de trabalho. Palavras-chave: Fumicultor. Índices de conforto térmico. Qualidade de vida. THERMAL COMFORT FROM RURAL WORKERS DURING TOBACCO HARVEST ABSTRACT Tobacco cultivation is mainly developed by family farms because it requires intensive and little mechanized labor. The present work aims to investigate the thermal comfort of rural workers during tobacco harvesting, using the thermal comfort indexes: Temperature and humidity index (ITU) and Windchill Equivalent Temperature (Twc), in the Vale do Rio Pardo region -RS. For this, information was collected first through a questionnaire answered by 80 rural producers and, subsequently, a bioclimatic analysis was performed by calculating and interpreting the indices. The analysis of the indices and the types of discomfort felt during the tobacco harvest reported by the rural producers, are indicative of heat stress in the afternoon work shift (14:00 to 19:00 h) for the months of December and January. For the morning shift, the thermal sensation is cold (<15ºC), depending on the wind speed in the region (> 2.0 m/s). Breaks in the harvesting activity should be carried out in the afternoon, when heat stress exists due to weather conditions and can be enhanced by physical stress accumulated throughout the workday.
doi:10.18011/bioeng2020v14n3p299-308 fatcat:jfuh3rq5svd5hhg23tv3gsn6cq