Produção e qualidade de frutos de melão submetidos a dois sistemas de irrigação

Patrício F Batista, Mayara Milena M da L Pires, Joice Simone dos Santos, Sérgio OP de Queiroz, Carlos Alberto Aragão, Bárbara F Dantas
2009 Horticultura Brasileira  
O meloeiro, no Vale do Submédio São Francisco, é cultivado principalmente por pequenos produtores que usam, em sua maioria, sistema de irrigação por sulco, caracterizado pela baixa eficiência de aplicação de água. O trabalho teve o objetivo de avaliar a produção e qualidade fisiológica de melão (cultivar AF-682), submetido a dois tratamentos (sistemas de irrigação em sulcos de infiltração e gotejamento), bem como avaliar a eficiência e economia de água desses sistemas. O experimento foi
more » ... o de setembro a novembro de 2005, em campo experimental da UNEB em Juazeiro-BA. Adotou-se o delineamento experimental em blocos ao acaso, com 10 repetições. Foram utilizadas parcelas experimentais de 20 m², com espaçamento entre linhas de 2,0 m e 0,5 m entre plantas. Para o sistema de irrigação por gotejamento, empregou-se um equipamento com linhas de gotejo com 8 mm de diâmetro e gotejador a cada 0,3 m com vazão de 0,6 L*h-1 em cada um. Os sulcos de irrigação foram construídos em nível com 16 m de comprimento, com profundidade e largura média de 30 cm, respectivamente. Adotou-se a vazão aplicada pelos produtores de melão da região, sendo a mesma monitorada através de calhas WSC Flume-A. A colheita foi realizada aos 62 dias após o transplantio. Foram avaliadas as matérias fresca e seca da parte área das plantas, produção total, produção refugo e a produção comercial de frutos, massa média de frutos, sólidos solúveis totais, firmeza de polpa, espessura de polpa, cavidade interna transversal e longitudinal e largura e comprimento de frutos. Não houve diferença significativa para a produção e qualidade dos frutos de melão nos dois sistemas de irrigação avaliados, exceto para massa média, largura e comprimento de frutos, que foram superiores na irrigação por sulcos. No entanto, o gotejamento mostrou-se mais eficiente no uso da água que o sistema de sulcos.
doi:10.1590/s0102-05362009000200022 fatcat:6zai2nmdznfuvmf3dpwjgxf5qe