Belo Horizonte-n

Angélica Soares
2010 unpublished
Universidade Federal do Rio de Janei-ro-UFRJ. ara experienciarmos um modo autenticamente humano de habitar a Terra − que se constitui poeticoecologicamente −, recriado em Entre o ser e o amar, da guineense Odete Costa Semedo, dialogaremos com a inter-relação entre construir, habitar, pensar e proporemos uma compreensão de Natureza no seu sentido integrado; o que exige um enfrentamento da ideologia dominante de dualismo na cultura ocidental. Propostas para uma ecocrítica literária de William
more » ... ária de William Rueckert nos levarão a ler o poema como uma energia inesgotável, capaz de se expandir na comunidade humana e de se transformar em ação social, visando ao equilíbrio global. Na poética semediana, ainda na perspectiva de Rueckert, as metáforas serão fruídas por nós em sua constituição ontológica e não representacional; permitindo-nos concluir que, ecologicamente, nos situamos sempre de modo não excludente entre o ser e o amar. Palavras-chave: Ecologia; Ecocrítica; Poesia Guineense Contemporânea. P Resumo Nós deveríamos levar nossos poetas mais a sério. Deveríamos apren-der a pensar ecologicamente, eco-poeticamente (RUECKERT, 2009, p. 12) 1 Essa advertência, de William Rueckert, em Metaphor and reality: a meditation on man, nature and words, nos provoca, de modo super-lativo, quando deixamos falar a poesia da guineense Odete Semedo. Isto porque, ecopoeticamente, somos conduzidos para o convívio com as verdades ontológicas das metáforas, ao invés de as apreendermos, epistemologicamente, como representação. Através das propostas de Rueckert para uma ecocrítica − termo por ele cunhado em 1978 no texto "Literature and ecology; an experiment in ecocriticism"−, deve-mos buscar o lugar da literatura na teia ecológica da vida, com ênfase no vigor literário, entendido como fluxo contínuo, criativo e inesgotá-Tradução da autora
fatcat:betg6edapbdezcb5siyk5g7lxa