Quando as mulheres estão no poder: ambiguidades, obscuridades e referências políticas em As Tesmoforiantes de Aristófanes [thesis]

Milena de Oliveira Faria
AGRADECIMENTOS Escrever uma dissertação de mestrado é um trabalho muito solitário, em que passamos horas no escritório lendo, refletindo, no mundo das citações e de argumentações, dialogando com autores que talvez nunca teremos a chance de encontrar pessoalmente. No entanto ele não seria possível de ser concluído sem aquelas pessoas que sabem compreender essa necessidade da solidão e aquelas que sabem o momento de aparecer delicadamente em nossas vidas, com sugestões de ideias, um novo modo de
more » ... s, um novo modo de elaborar aquela frase que insiste em sair torta de nossa mente, com livros, ou, simplesmente, com paciência de escutar as nossas angústias nos vários momentos em que escrever torna-se uma tarefa árdua. A essas pessoas vão os meus agradecimentos. Primeiramente, gostaria de agradecer à professora Adriane da Silva Duarte, minha orientadora, não somente por ser uma orientadora dedicada, presente, mas por ser aquela por quem eu tenho imensa admiração, que esteve comigo desde os primeiros anos da graduação, sempre disposta a ajudar, ouvir e me dar apoio. Agradeço também aos professores que estiveram na minha banca de qualificação, professor Daniel Rossi e professora Zélia de Almeida Cardoso, pelas observações pertinentes que ajudaram no crescimento do meu trabalho. Aos demais professores de graduação, que me inspiraram a seguir a carreira acadêmica, especialmente ao professor Christian Werner, que sempre se interessou pelo meu trabalho e que me emprestou livros os quais foram de fundamental importância para a elaboração deste trabalho. Muito obrigada! Nunca poderia deixar de lembrar, em um momento tão importante como este, de agradecer aos meus pais, exemplos de guerreiros, que sempre me apoiaram nos meus estudos de modo incondicional, acreditando na minha capacidade de evolução e vibrando comigo a cada conquista. Eu nada seria e chegaria a lugar algum não fosse o seu apoio constante. Agradeço também ao meu querido irmão, pelas conversas de madrugada, quando o texto ficava travado em um mesmo parágrafo, por me ajudar a relaxar e rir, para voltar à retomada dos pensamentos. Agradeço ao Mark, estimulador, companheiro, que esteve sempre comigo nas descobertas, feliz com a minha alegria em poder fechar mais um argumento, em achar mais um autor que pensasse como eu; sempre disposto a ouvir, a ficar horas na universidade fazendo cópias de textos importantes e também a vasculhar a cidade à procura de sebos especializados. Por fim, agradeço ao CNPq, pelo apoio financeiro sem o qual esta dissertação de mestrado não seria possível. RESUMO FARIA, Milena de Oliveira. Quando as mulheres estão no poder: ambiguidades, obscuridades e referências políticas em As Tesmoforiantes de Aristófanes. 2010.Dissertação (mestrado) -Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Das peças com tema feminino de Aristófanes -Lisístrata (411 a.C), As Tesmoforiantes (411 a.C) e Mulheres na Assembleia (392 ou 391) -, a segunda foi a que menos despertou o interesse dentre os estudiosos do século XX.Até a década de 70, essa era uma comédia considerada de menor valor literário pela crítica, pois não apresentava uma heroína forte, como Lisístrata, ou uma ideia inovadora, como a de Praxágora, a peça era vista então apenas como uma aglomeração pobre de paródias de peças euripidianas.Entretanto estudos posteriores, como o de Zeitlin (1981), começam a apontar para outras leituras da obra, de modo que fosse possível perceber que a peça não era assim tão superficial quanto parece à primeira leitura. Zeitlin, por exemplo, explica que as paródias não são meras pilhérias, mas fazem uma intersecção entre o feminino e o masculino, o cômico e o trágico. Slater (2002) vai além e enxerga, na representação da assembleia feminina, outras possibilidades de leitura, como a possível referência à repressão que os atenienses sofriam no período da crise de 411. O meu objetivo, portanto, é, a partir da discussão dos problemas de datação que essa peça oferece, pensar algumas passagens que remeteriam a fatos históricos, para que se comprove que As Tesmoforiantes são uma obra ainda mais complexa, em que se pode também encontrar um outro modo de leitura. Palavras-chave: Comédia Antiga; Aristófanes; Mulheres; Assembleia As Tesmoforiantes.. ABSTRACT FARIA, Milena de Oliveira. When women are in power: ambiguities, obscurities and political references in Aristophanes'Thesmophoriazusae. 2010. Dissertação (mestrado) -Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Between the plays with female protagonists -Lysistrata (411b.C), Thesmophoriazusae (411 a.C) and Ecclesiazûsae (392 or 391) -, the second was the one that raised least interest with the critics of the 20 th century. Until the 70"s, the critics considered Thesmophoriazusae to be a comedy of minor literary value, because it didn"t present a strong heroine, like Lysistrata, or a new ideia, like Praxagora"s. The play was seen merely as a poor agglomeration of euripidean parodies. However, in later studies (like the one of Zeitlin (1981), for example) started to hint at other possible interpretations of this work, making it clear that the play was not as superficial as it might have seem to be at the first sight. Zeitlin, for example, explains that the parodies are not mere mockeries, but make an intersection of relation between male and female, between comic and tragic. Slater (2002) goes further and sees, in the representation of the female Assembly, other possibilities of interpretation, as possible references to the repression suffered by the Athenians in the period of 411. My aim, thus, is, through discussion of the problems that arise trying to determinate the precise date of the play"s performance, to consider relative passages that could help establish a frame of historical facts, so that we can prove that Thesmophoriazusae is a play far more complex and that it is possible to interpret it accordingly.
doi:10.11606/d.8.2010.tde-10112010-104755 fatcat:vdklm7ocefffnipp5tnfa4l24a