Noturnas águas melancólicas: sobre "Noturno da Mosela", de Manuel Bandeira

Wilson José FLORES JR.
2013 Revista Texto Poético  
Sérgio Buarque de Holanda, em "Trajetória de uma poesia", nota que a "imagem do movimento e da queda d'água", marcante nos primeiros poemas de Manuel Bandeira, "sobrevive longamente" a eles, configurando uma imagem "característica" da poética bandeiriana. O crítico argumenta que, "em horas mais sombrias", as águas representam "a própria transitoriedade e a fugacidade da existência", como ocorre, por exemplo, em "Noturno da Mosela". Este é um dos sentidos em jogo no poema e descreve bem uma de
more » ... as linhas de força. Mas, para além dele, há todo um conjunto de imagens (algumas inusitadas) que se entrecruzam, chocam-se e combinam-se de modo a construir uma expressão lírica da melancolia em que é ressaltada sua dimensão agressiva (que se impõe no poema sobre a acedia), centrada nas associações que se desenvolvem em torno da água, da noite e do quarto, projeções exteriores de um momento de autorreflexão da subjetividade lírica.
doi:10.25094/rtp.2012n13a110 fatcat:rqlkohvsejcpfnarhfkoqjreou