O CPAP atenua as respostas cardiovasculares ao esforço submáximo na apneia obstrutiva do sono? Um estudo transversal

Sulyvan Ítalo Daher Chaves, Matheus Gustavo Silva Magalhães, Alice Santana Valadares Ribeiro, Pedro Paulo Simões de Siqueira, Anna Myrna Jaguaribe de Lima
2021 Research, Society and Development  
Objetivo: Comparar a capacidade funcional de exercício (CFE) e as respostas cardiovasculares ao exercício submáximo em indivíduos com apneia obstrutiva do sono (AOS) com e sem tratamento com pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP). Métodos: 73 indivíduos com diagnóstico de AOS moderada ou grave foram divididos em 2 grupos: grupo CPAP (boa adesão ≥ 4 horas/noite, n = 36) e grupo nCPAP (não utilizaram o dispositivo, n = 37) e submetidos ao teste de degrau de seis minutos (TD6M).
more » ... os (TD6M). Resultados: Não houve diferença entre os grupos na CFE (nCPAP 132,95 ± 27,12 degraus vs CPAP 125,11 ± 26,15 degraus; p=0,213). A resposta pressórica imediatamente após o exercício (final – repouso) foi superior no grupo nCPAP tanto para pressão arterial sistólica (PAS) (57,56 ± 19,91mmHg vs 28,88 ± 15,07mmHg; p = 0,000) quanto para pressão arterial diastólica (PAD) (14,05 ± 8,64 vs 1,38 ± 7,23; p = 0,000). O percentual de variação de recuperação (recuperação – inicial) foi menor no grupo CPAP, tanto para PAS (24,2 ± 12,04% vs 4,6 ± 7,31%; p = 0,000) quanto para PAD (10,66% ± 9,41% vs 0,43% ± 6,88%; p = 0,000). Não houve diferença no percentual de variação da FC (nCPAP 18,6 ± 15,34% vs. CPAP 15,08 ± 10,59%; p = 0,260). Conclusões: Os resultados sugerem uma resposta pressórica atenuada ao esforço submáximo e uma recuperação mais rápida da PAS e da PAD em indivíduos com AOS tratados com CPAP em comparação aos não tratados.
doi:10.33448/rsd-v10i6.15941 fatcat:kcazr2caefghzkq4koxzearfuq