"Falar que não existe machismo... Claro que existe!": entrevista com Carola Saavedra

Christian Grünnagel, Doris Wieser
2015 Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea  
Primeira parte, Frankfurt, outubro 2013. O que significa ser homem ou ser mulher para você? Eu acho que ser homem ou ser mulher é uma coisa que varia de acordo com a sociedade e com o tempo. Então, por exemplo, ser mulher no século XIX significava corresponder a determinadas expectativas. Já hoje as expectativas são outras. Agora, se você me perguntar, "Existe uma essência do que é ser mulher e ser homem?", eu acho que o que existe são lugares que você ocupa. Não que você ocupe esse lugar
more » ... pe esse lugar sempre, pode trocar de lugar. Então, talvez exista uma essência do lugar que você ocupa, mas não da pessoa, do ser mulher ou do ser homem em si. Há sempre uma mudança, um processo em que tudo vai mudando de novo. Quer dizer que a masculinidade e a feminilidade, segundo você, não são coisas da natureza, mas sim um fenômeno formado pela sociedade? Se há algum aspecto da natureza, eu acho que não tem como definir. Claro, existem aspectos óbvios: a mulher pode ter filhos, a mulher pode engravidar, questões hormonais, enfim. Mas a forma como isso se apresenta psiquicamente ou socialmente, eu acho que também varia. Se existe, eu acho que é muito difícil de definir. Parece-me que, fora a questão do corpo, trata-se de lugares que você ocupa e esses lugares variam de acordo com a sociedade. O que acho que cria essa discussão é você não ter como definir o que, no corpo de mulher, faz com que ela se relacione como mulher. Se você me disser, por exemplo, "A mulher sente de tal forma, porque ela tem um corpo de mulher", responderia que talvez um homem, que pode ser inclusive um travesti ou um
doi:10.1590/2316-40184528 fatcat:5u2y34sqgzfspj5o3epkh2xbxm