Satisfação dos cuidadores dos pacientes portadores de paralisia cerebral e escoliose após artrodese de coluna

Simone Tortato, Carlos Abreu de Aguiar, Dulce Helena Grimm, Luiz Antonio Munhoz da Cunha, Luis Eduardo Munhoz da Rocha
2010 Revista Brasileira de Ortopedia  
RESUMO Objetivo: Avaliar a satisfação dos cuidadores de pacientes portadores de paralisia cerebral e escoliose após artrodese de coluna. Método: Foram revisados 38 prontuários de pacientes submetidos à artrodese de coluna no Hospital Pequeno Príncipe entre 2003 e 2009, com seguimento mínimo de um ano. Dos prontuários foram colhidos os seguintes dados: idade, gênero, tempo de seguimento, GMFCS, classificação topográfica da lesão, abordagem cirúrgica e complicações. Das radiografias pré e
more » ... afias pré e pós-operatórias: ângulo de Cobb nos planos coronal e sagital e obliquidade pélvica. O cuidador mais próximo de cada paciente respondeu a um questionário, na última consulta, sobre cuidados pessoais, função, locomoção, estética, saúde e satisfação, comparando, de maneira retrospectiva, as condições pré e pós-cirúrgicas. Para análise estatística os resultados foram divididos em dois grupos de acordo com a melhora obtida. Resultados: A média de idade na cirurgia foi de 14,6 anos (9-20). O seguimento médio foi de 33 meses (12-75). O ângulo de Cobb pré-operatório médio foi de 81º (46º-133º), pós-operatório médio de 27º (6º-62º). Obliquidade pélvica estava presente em 18 (74%) pacientes antes da cirurgia. Complicações ocorreram em 13 (37%) pacientes. Houve melhora para os cuidados pessoais em 36 pacientes (95%), da função e locomoção em 37 (97%). Melhora estética ocorreu em 100% dos casos. O tempo de permanência na cadeira de rodas aumentou em 79% dos pacientes. Conclusões: Neste estudo, o tratamento cirúrgico da escoliose em pacientes portadores de paralisia cerebral cursou com alto grau de satisfação dos seus familiares. Nossos resultados foram semelhantes aos relatados em outros estudos previamente publicados. ABSTRACT Objective: To evaluate caregiver satisfaction after spinal fusion in patients with cerebral palsy and scoliosis. Methods: The chart data of 38 patients who underwent surgical treatment at Pequeno Príncipe Hospital between 2003 and 2009, with minimum follow-up period of one year, were reviewed. The following data were collected: age, gender, follow-up length, GMFCS, topographic classification of the lesion, surgical approach, and complications. From preoperative and postoperative radiograph reviews: Cobb angle in the coronal and sagittal planes, and pelvic obliquity. Each patient's closest caregiver answered a questionnaire, retrospectively, related to personal care, function, mobility, aesthetics, health and satisfaction, comparing their conditions before and after surgery. For statistical analysis the results were divided into two groups according to improvement. Results: The mean age was 14.6 years (9-20) at the time of surgery. The mean follow-up period was 33 months (12-75). The Cobb angle averaged 81º (46º-133º) preoperatively, postoperatively the mean was 27º (6º-62º). Pelvic obliquity was present in 18 (74%) patients before surgery. Complications occurred in 13 (37%) patients. There was an improvement in personal care in 36 patients (95%), and locomotion and function in 37 (97%). Aesthetic improvement occurred in 100% of cases. Time spent in a wheelchair increased for 79% of patients. Conclusions: In this study, the surgical treatment of scoliosis for patients with cerebral palsy showed a high degree of satisfaction among members of their families. Our results are similar to other studies previously published in the literature.
doi:10.1590/s0102-36162010000700009 fatcat:ouzrr2odnzgkxli5vjydbasrkq