Desamparo em pacientes com dor lombar crônica: estudo psicanalítico e neurocientífico [thesis]

Nathália Augusta de Almeida
AGRADECIMENTOS Aos meus amados pais, Amaury e Aida, por sempre terem me apoiado, incentivado e lutado por mim, em todos os sentidos, e em todos os momentos da minha vida. Amo vocês infinitamente; Aos meus irmãos, Luciana, Tito e Krista, por todo amor, irmandade, apoio e incentivo; Aos meus sobrinhos Letícia, Ruben, João Augusto, Luíza e Albert por me darem tanta alegria e fazerem meu coração transbordar de tanto amor; Aos meus padrinhos Andrés (in memorian), Harlette e prima Rita, por sempre
more » ... Rita, por sempre terem feito parte da minha história, com muito amor; Aos astrônomos que fizeram parte da minha infância e me ensinaram a apreciar o mundo acadêmico, em especial ao Prof. Dr. Amaury Augusto de Almeida e Prof. Dr. Patan Deen Singn (in memorian); À Profª. Drª. Elisa Parahyba Campos Rodrigues, por todo incentivo, acolhimento e contribuições para que esta pesquisa se concretizasse; Ao Prof. Dr. Avelino Luiz Rodrigues, por ter me acolhido, acreditado e investido no meu potencial. Serei eternamente grata aos seus ensinamentos e desenvolvimento acadêmico propiciado; Aos membros do Laboratório Sujeito e Corpo pela parceria, apoio, incentivo e trocas fortalecedoras; À Profª. Drª. Glaucia Rocha, querida Professora, orientadora de TCC e supervisora clínica, por sempre ter contribuído, investido e acreditado no meu desenvolvimento profissional e acadêmico; À psicóloga Ms. Diana Espallargas, à colega de pós-graduação Beatriz Daró e ao ortopedista Dr. Fabiano Prata, por terem sido pessoas fundamentais para o início desta trajetória; À minha querida amiga Barbara Subtil, pela importante amizade e parceria, pela Liga da Dor, e pelo fundamental apoio e supervisão do TAT, que foi enriquecido com seu conhecimento e experiência em pacientes com dor crônica; À minha querida amiga e colega de pós-graduação Eliana do Vale, pela amizade, carinho, disponibilidade, trocas construtivas e ensinamentos sobre ocitocina e dor; À Banca de Qualificação e Defesa Profª. Dra. Eliana Herzberg, Prof. Dr. Luciano Miller Reis Rodrigues e Prof. Dr. Marcelo Vaz Perez, pelas importantes contribuições para esta pesquisa; Ao Prof. Dr. Luciano Miller Reis Rodrigues, que gentilmente se disponibilizou em auxiliar no processo de captação dos participantes desta pesquisa e possibilitou discussões construtivas sobre o tema, com prontidão e receptividade. Obrigada por ter aceitado participar desta empreitada; A toda equipe do serviço, em especial ao Dr. Adriano Yonezaki, Dr. Leonardo Asano, Dr. Gustavo Bison, Dr. Claudio Carvalho e ao enfermeiro Santos pelo carinho e amizade; Ao Dr. Leonardo Asano, pela fundamental contribuição, disponibilidade e cuidadosa atenção no processo de captação dos participantes; A todos os participantes, por toda a dedicação dispensada. Sem eles este estudo não existiria; A todos que de alguma forma, contribuíram ou torceram para que esta pesquisa pudesse ser concluída e apresentada. RESUMO de ALMEIDA, N. A. (2018). Desamparo em pacientes com dor lombar crônica: um estudo Psicanalítico e Neurocientífico. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. Introdução: A dor é uma experiência emocional e sensorial desagradável, associada ao dano real ou potencial de alguma região do corpo. Segundo a International Association for the Study of Pain, ela é sempre subjetiva, pois sua percepção é aprendida com a vivência pessoal de cada indivíduo. Estima-se que a hérnia de disco atinge de 2 a 3% da população brasileira, considerando uma prevalência de 2,5 em mulheres e 4,8% em homens, acima de 35 anos. Ao longo da vida, o sujeito pode entrar em contato com o desamparo inerente à natureza humana em vivências traumáticas e pós-traumáticas, remetendo-o à impotência do recém-nascido humano, como no exemplo de uma vivência de dor. Este projeto também pretende abarcar alguns princípios básicos das Neurociências e aproximar-se das possíveis relações da ocitocina na experiência subjetiva de desamparo e, posteriormente, na percepção da dor. Objetivo: Compreender a experiência subjetiva de desamparo em pessoas com dor crônica decorrente de hérnia de disco lombar e estudar a interação da ocitocina na vivência de desamparo e percepção da dor. Método: Tratou-se de estudo clínico randomizado controlado composto por 10 participantes do sexo masculino, idade entre 35 e 59 anos e com diagnóstico médico de hérnia de disco lombar. Foram realizadas, nesta ordem, anamnese, entrevista clínica semi-dirigida, e aplicação da Escala Visual Analógica de Dor (EVA) e do Teste de Apercepção Temática (TAT). Na reavaliação, entrevista clínica semi-dirigida e reaplicação da EVA e do TAT. No primeiro encontro, além da avaliação, foi fornecido aos participantes, por um médico treinado da equipe médica, ocitocina (no grupo experimental) ou soro fisiológico (grupo controle) na forma de spray nasal, para ser ministrado diariamente por 28 dias, até o dia da reavaliação psicológica dos mesmos participantes. A escolha do tipo de intervenção que os participantes receberam foi randomizada e duplo cega. Considerações: Mesmo inicialmente vivida em suas primeiras vezes em estágios muito primitivos do desenvolvimento, a experiência subjetiva do desamparo deixa marcas que permanecem presentes em todos os períodos de vida, podendo ser revivida pelo indivíduo em situações como a da dor. A dor compele ao indivíduo isolamento social, mas também pela dificuldade em conseguir se expressar ao outro e perceber-se compreendido. Com a redução dos sentimentos de isolamento e negativismo e do abrandamento da percepção de dor pelo uso de ocitocina, observou-se uma correlação positiva da ocitocina com a redução dos sentimentos de isolamento, negativismo com abrandamento da percepção de dor e do sentimento de desamparo. Por outro lado, os resultados corroboram achados de nossas pesquisas, ou seja, a maneira da pessoa lidar com sua dor expressa a sua forma de lidar com a vida e com o mundo. Estes dados contribuem na busca de estratégias para lidar com o fenômeno álgico. Palavras-chave: dor crônica, desamparo, ocitocina, psicologia da saúde ABSTRACT de ALMEIDA, N.A. (2018). Helplessness in people with chronic low back pain: a Psychoanalytic and Neuroscientific study. (Master's Dissertation). Institute of Psychology, University of São Paulo, São Paulo. Introduction: Pain is an unpleasant emotional and sensory experience associated with actual or potential damage to a region of the body. According to the International Association for the Study of Pain, it is always subjective because its perception is learned from the personal experience of each individual. It is estimated that disc herniation affects 2 to 3% of the Brazilian population, considering a prevalence of 2.5 in women and 4.8% in men, over 35 years. Throughout life, the subject can come into contact with the inherent helplessness of human nature in traumatic and post-traumatic experiences, referring to the impotence of the human newborn, as in the example of an experience of pain. This project also intends to cover some basic principles of neurosciences and to approach the possible relations of oxytocin in the subjective experience of helplessness and, later, in the perception of pain. Objective: To understand the subjective experience of helplessness in people with chronic pain due to lumbar disc herniation and to study the interaction of oxytocin in the experience of helplessness and pain perception. Method: This was a randomized controlled clinical study composed of 10 male participants, aged between 35 and 59 years and with a medical diagnosis of lumbar disc herniation. Anamnesis, a semi-guided clinical interview, and the application of the Visual Analog Pain Scale (EVA) and the Thematic Apperception Test (TAT) were performed. In the re-evaluation, semi-directed clinical interview and reapplication of EVA and TAT. At the first meeting, in addition to the evaluation, the participants were given, by a physician trained in the medical team, oxytocin (in the experimental group) or saline (control group) as a nasal spray, to be administered daily for 28 days, until the day of the psychological reevaluation of the same patients. The type of intervention the participants received was randomized and double blind. Considerations: Even when initially experienced in its earliest stages in very primitive stages of development, the subjective experience of helplessness leaves marks that remain present in all periods of life, and can be revived by the individual in situations such as pain. Pain compels the individual to be socially isolated, but also because of the difficulty in being able to express himself to the other and to perceive himself understood. With the reduction of the feelings of isolation and negativism and the slowing of the perception of pain by the use of oxytocin, a positive correlation of the oxytocin with the reduction of the feelings of isolation, negativism with slowing of the perception of pain and the feeling of helplessness was observed. On the other hand, the results corroborate findings of our research, that is, the way the person deals with their pain expresses the way of dealing with life and with the world. These data contribute to the search for strategies to deal with the pain phenomenon.
doi:10.11606/d.47.2018.tde-14112018-101323 fatcat:qihfh4u3xbdgveiq5djgjumfi4