A polifonia do tempo: ficção, trauma e aceleração no Brasil contemporâneo

Rodrigo Turin
2017 Artcultura  
O artigo investiga, a partir da leitura de alguns romances de Bernardo Kucinski, Julián Fuks, Ricardo Lísias e Michel Laub, as características que compõem duas formas distintas de temporalidade na sociedade contemporânea, marcadas pelas dimensões do trauma e da aceleração.Palavras-chave: temporalidade; trauma; aceleração.
doi:10.14393/artc-v19n35-2017-2-05 fatcat:li3nsfjc2ng3xnzc7ydoxdwmxa