Osteossíntese com placa bloqueada e cerclagem no tratamento da fratura de ramo mandibular em equino

Vinicius Maia Ribeiro Godoy et al.
2017 Revista Acadêmica  
Resumo As fraturas de mandíbula em equinos são associadas com eventos traumáticos e podem ser desafiadoras para o tratamento cirúrgico em que a instabilidade óssea no foco de fratura pode dificultar a boa evolução do caso. O objetivo deste trabalho é descrever um caso de fratura de ramo mandibular, tratado com a combinação de dois métodos de fixação. Uma égua Brasileira de Hipismo, de 2 anos, 409 kg, foi atendida no HOVET-USP. O animal havia estirado ao cabresto e, em seguida, foi observado
more » ... , foi observado ferimento em região de mandíbula direita. O tratador notou dificuldade à mastigação de alimento. Após atendimento veterinário na propriedade e exame radiográfico, foi identificada fratura em ramo mandibular direito, no diastema entre os incisivos e pré-molares. O animal foi recebido no hospital veterinário 24 horas após a ocorrência da lesão. Foi observada laceração cutânea na face lateral do ramo mandibular direito, com edema e secreção serossanguinolenta. Imagens radiográficas ortogonais revelaram duas linhas de fratura mesiais ao segundo dente pré-molar, com destacamento e deslocamento de fragmento ósseo ventral. Sob anestesia geral inalatória, em decúbito dorsal, realizou-se incisão de 20 cms em região ventral e paralela ao ramo mandibular direito, permitindo o acesso à superfície ventral mandibular. Para correção da fratura, uma placa bloqueada (LCP) foi posicionada, utilizando-a para manter a redução do fragmento destacado. Sete parafusos bloqueados e unicorticais foram usados para a osteossíntese, com dois parafusos rostrais à fratura, um sobre o fragmento destacado e os demais em região distal às linhas de fratura. O tecido subcutâneo foi aproximado com fio absorvível sintético e a pele, fechada com agrafes. Realizou-se, ainda, a cerclagem entre os dentes incisivos, com ancoragem entre o segundo e terceiro dentes pré-molares, para aumentar a estabilidade óssea, gerando maior resistência mecânica durante a mastigação. Os fios de cerclagem e os dentes incisivos foram recobertos com resina odontológica para evitar sua separação e a ocorrência de lesões sobre a mucosa oral. A laceração em face lateral mandibular foi desbridada e mantida aberta. A
doi:10.7213/academica.15.s01.2017.161 fatcat:vk3wljmkxncqvlnl4n6zp6n2be