Análise Comparativa das Propriedades de Membranas de Quitosana e Alginato Densas e Porosas Preparadas na Presença ou Ausência do Polímero Sintético Silpuran® 2130 A/B

A. L. R. PIRES, A. M. A. DIAS, H. C. SOUSA, M. BRAGA, A. M. MORAES
2015 Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química   unpublished
RESUMO -A quitosana e o alginato destacam-se dentre os biopolímeros mais estudados para o tratamento de lesões de pele. A associação quitosana-alginato contribui para a melhoria das propriedades das membranas usadas como curativos, entretanto, estes dispositivos apresentam baixa porosidade e flexibilidade. Tais limitações podem ser contornadas pela adição na formulação do tensoativo Pluronic F68 (agente porogênico) e do agente siliconado Silpuran ® 2130 A/B (polímero altamente flexível). Neste
more » ... e flexível). Neste trabalho, avaliou-se a influência da adição simultânea destes aditivos nas propriedades dos curativos, analisando-se as variações de espessura, ângulo de contato, sorção e transmissão de vapor d'água. Observou-se que a incorporação de Silpuran ® 2130 A/B, na presença ou não do tensoativo, reduz a espessura e aumenta a hidrofobicidade dos dispositivos, enquanto a adição de ambos os aditivos aumenta significativamente a sorção de vapor de água, porém não altera a transmissão de vapor de água. INTRODUÇÃO Os biomateriais apresentam-se como um campo de pesquisa multidisciplinar baseado na sinergia das áreas de biologia, engenharias e ciência dos materiais. Estão sendo utilizados há décadas no âmbito médico para melhorar a qualidade de vida dos pacientes (Holzapfel et al., 2013) . A seleção dos componentes que constituem um dado biomaterial é essencial para que sua aplicação seja bem sucedida , assim sua escolha deve ser definida a partir das propriedades específicas. Alguns tipos de biopolímeros, como a quitosana e o alginato, separadamente ou combinados, resultam em materiais com propriedades particulares para o tratamento de feridas, inclusive na confecção de curativos. Além disso, possuem vantagens apreciáveis, tais como biocompatibilidade e biodegradabilidade (Rodrigues et al., 2008; . A quitosana é um biopolímero que pode apresentar-se como um policátion em condições apropriadas de pH. Este composto é derivado da quitina, um componente do exoesqueleto de crustáceos, sendo constituído de unidades de N-acetil glicosamina e D-glicosamina. É conhecida no campo do tratamento de feridas por estimular a proliferação celular e por ter propriedades bactericidas e fungicidas (Chen et al., 2012; Paul e Sharma, 2004). O alginato é um biopolímero aniônico obtido Área temática: Engenharia de Materiais e Nanotecnologia 1
doi:10.5151/chemeng-cobeq2014-1084-21134-137171 fatcat:vquoltutjvdlxlecsvs2i7hc4e