Anhangabaú, o Chá e a Metrópole [thesis]

Ângelo Bucci
Anhagabaú, o Chá e a Metrópole 3. O projeto de Le Corbusier não foi construído. Apesar disso, a sua presença no Brasil contribuiu sensivelmente na formação de um grupo de arquitetos que desenvolveria o ideário da arquitetura moderna brasileira. De início, destacou-se o grupo carioca, com ênfase para o papel de Lúcio Costa. Um marco dessa influência intelectual foi a construção do Edifício do Ministério da Educação e Saúde no Rio de Janeiro, resultante da segunda visita de Le Corbusier ao Brasil
more » ... em 1936, que contou com a colaboração de outros arquitetos brasileiros além de Lúcio Costa, entre eles Oscar Niemeyer. Em São Paulo, as idéias de Le Corbusier estavam formalmente representadas na arquitetura de Warchavchik e encontrariam um campo mais fecundo a partir da criação da FAUUSP -Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo -, em 1948. Ou seja: Independentemente do seu Plano para São Paulo e da sua não construção, as idéias de Le Corbusier, divulgadas nas suas conferências em 1929, tiveram impacto na formação dos arquitetos paulistanos. Do ponto de vista estético, essas duas vertentes, representadas por Le Corbusier e Prestes Maia, são opostas. Nesse sentido o estudo dos dois trabalhos simultâneos pretende ser esclarecedor. Vilanova Artigas -1973 Vilanova Artigas formou-se na Escola Politécnica de São Paulo em 1937, onde foi aluno de Prestes Maia. Tomou-se professor da mesma escola em 1939 e foi um dos fundadores da FAUUSP em 1948, onde permaneceu até 1985. Em 1974, quando a EMURB -Empresa Municipal de Urbanizaçãoo contratou para elaboração do projeto de Reurbanização do Anhangabaú, Vilanova Artigas k exemplos e autores demonstrando grande erudição sobre o assunto. O Plano de Avenidas lhe rendeu o Prémio Máximo no IV Congresso Pan-Americano de Arquitetura, sediado no Rio de Janeiro em 1930? Esses dois projetos, de Le Corbusier e de Prestes Maia, elaborados simultaneamente, representam duas vertentes de pensamento sobre a questão urbana. Mas apenas o segundo traduziu-se em construção. 1 CIDADE, Revista do DPH/SMC, ano m, 1996, n° 4, p. 16. 5 Anhagabaú, o Chá e a Metrópole 3.
doi:10.11606/d.16.1998.tde-22072022-083747 fatcat:oeqdstzgjng2nkmav5advzqov4