EDUCAÇÃO, TRABALHO E TECNOLOGIA

Marcelo Lima
2016 Educação & Sociedade  
T ese de doutoramento defendida no início dos anos 1990 na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) agora encontra o devido lugar com publicação pela Alínea. Traz estudo único e fundamental que se refere, de maneira atenta e profunda, às raízes da história da educação profissional no Brasil e no mundo. Entre os trabalhos que tratam historicamente as relações trabalho e educação, este é certamente um dos mais ricos e completos, tanto do ponto de vista teórico quanto do historiográfico.
more » ... oriográfico. Trata-se de obra relevante que se situa entre àquelas que fazem da historiografia e do materialismo histórico dialético instrumentos analíticos para compreensão da historicidade das relações entre o Trabalho e Educação relativos à formação humana da classe operária. Newton Antonio Paciulli Bryan, na obra Educação, Trabalho e Tecnologia (2015) , traça uma trajetória da implantação da escola-fábrica em contraponto à fábrica-escola. Parte das críticas de Marx e de Hodgskin aos processos de (de) formação profissional, que se dão no interior do processo produtivo, advogando que os trabalhadores deveriam assumir o controle do seu saber e de sua formação. A partir das colocações do autor, percebemos que tanto na obra de Hodgskin como na de Marx a socialização do conhecimento é considerada como poderoso meio para a transformação social -Hodgskin criou a Mechanics Magazine e atuou no Mechanic's Institute de Londres, e Marx orientou o movimento operário internacional, organizado na associação internacional dos trabalhadores, no sentido de lutar por uma nova escola onde a educação intelectual e física se articulasse com o ensino tecnológico e o trabalho produtivo. Infere que, para Hodgskin, na esteira do conceito de alienação de Marx, a destruição das relações sociais em que o trabalhador detém a posse do instrumento de trabalho, garantida pela posse do saber, implica profundas e constantes transformações nos processos de trabalho e nas formas de transmissão dos saberes. Bem antes da difusão do taylorismo no mundo, como nos informam os trabalhos de Braverman e de Charles Babage, já alertava que a divisão manufatureira do trabalho torna a sua execução cada vez mais simples, o que exige cada vez menos formação especial do trabalhador.
doi:10.1590/es0101-73302016161231 fatcat:uhujti732fda3gntpv4ghsnmau