Filters








1 Hit in 0.026 sec

Editorial

2013 Bolema  
ix Como editora convidada, parabenizo o BOLEMA pela iniciativa de organizar um número especial para publicar artigos advindos dos mestrados profissionais. Tal iniciativa vem dar visibilidade a uma modalidade da pósgraduação que tem tido dificuldades em encontrar veículos para publicar seus trabalhos. Os mestrados profissionais são uma modalidade de pós-graduação relativamente nova no Brasil. Pelo menos, no que se refere à área de ensino de Ciências e Matemática, atual área da Ensino. Na página
more » ... Ensino. Na página da CAPES, no dia em que este Editorial foi elaborado, 17 de maio de 2013, constam registrados 55 mestrados profissionais na área de Ensino, sendo que eles podem ser de Educação Matemática, Ensino de Física, Ensino de Saúde ou mesmo em Ensino de diversas disciplinas como é o caso dos mestrados em Ensino de Ciências e Matemática. Diante deste quadro geral recebemos como resposta à chamada de artigos, 31 submissões. É um número pequeno? Não é, se considerarmos vários aspectos dos mestrados profissionais em Ensino. A maioria deles é recente, ainda em fase de consolidação. A consolidação dos mestrados profissionais em ensino no Brasil é um processo em andamento. A comunidade acadêmica tem muitas questões ainda a discutir. Uma grande, enorme, questão é a de como vão ser absorvidos os mestrados profissionais das área duras, o PROFMAT, o PROFQUÍMICA e outros que forem criados. Mas como esta é uma questão, a meu ver, mais política que acadêmica, deixemo-la fora deste espaço e voltemos às nossas reflexões originais. Uma questão de caráter acadêmico já discutida em anos anteriores foi sobre o formato do trabalho de conclusão de curso. Como resultado desta discussão, decidiu-se que o trabalho final seria no formato de dissertação que deveria trazer também, de forma destacável, um produto educacional. Creio que a discussão a respeito do formato estrutural e conteúdo da dissertação foi iniciada em vários momentos mas ficou ainda sem conclusão, permitindo assim que cada programa de pós-graduação resolvesse a questão conforme sua própria compreensão. Obviamente ninguém está sentindo falta de uma camisa de força, de regras rígidas, de um modelo a seguir. Mas todos os
doi:10.1590/s0103-636x2013000300001 fatcat:l3oexwq4wfhszcv3fgwbarx7iq